Audiência Pública de Conciliação é realizada entre Estudantes e Governo de São Paulo

20/11/2015 - 17h23 - Por Karoline Figueiredo





Foi realizado ontem, 19/11, em São Paulo, uma audiência pública de conciliação entre estudantes e governo do Estado de São Paulo convocada pelo Tribunal de Justiça por conta das invasões nas escolas estaduais que vêm acontecendo por alunos que reivindicam as mudanças na rede estadual de ensino.

A reformulação prevê o fechamento de 92 escolas, 1.464 unidades passarão por mudanças de ciclos ( Anos Iniciais 1º ao 5º do Ensino Fundamental; Anos Finais 6º ao 9º do Ensino Fundamental e Ensino Médio, todos separados) e 300 mil alunos serão remanejados, além da mudança no quadro de profissionais e desligamentos.

Durante a reunião, a gestão Geraldo Alckmin (PSDB) propôs suspender temporariamente a reorganização da rede estadual de ensino para realizações de debates, até o fim do ano, se os estudantes desocuparem as escolas. Os alunos então, fizeram uma contraproposta que deve ser analisada até a próxima segunda-feira (23/11) pelo governo do Estado.

Contraproposta:

*Não fechamento das escolas;

*Debate com a comunidade ao longo de 2016, e não até o fim de 2015;

*Discussão envolvendo alunos, professores, pais, associações de pais e mestres, conselho de pais e grêmio estudantil;

*Não punição de professores, alunos e apoiadores das ocupações;

*A participação dos formandos de 2015 das discussões em 2016.

Até ontem, 19/11, 62 Escolas foram ocupadas por estudantes, sendo que 6 delas foram por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), segundo a Secretaria Estadual de Educação de São Paulo. Os protestos já envolvem até o momento, cerca de 26 mil alunos.

Após audiência, o secretário da Educação de São Paulo, Herman Voorwald informou que não há possibilidade de ser revogada a reorganização, porém, poderão sofrer algumas alterações.