James H. Billington morre aos 89 anos. Reconhecido acadêmico e autor foi o décimo terceiro bibliotecário da Biblioteca do Congresso dos EUA

22/11/2018 - 19h01 - Por PRNewswire





WASHINGTON, 22 de novembro de 2018 /PRNewswire/ -- James Hadley Billington - o emérito bibliotecário do Congresso dos Estados Unidos, um dos principais historiadores da Rússia do mundo, e importante acadêmico e autor norte-americano que lecionou em Harvard e Princeton antes de ser durante 42 anos CEO de quatro instituições culturais federais - morreu pacificamente ontem em Washington, DC, após uma breve doença, cercado por sua família. Ele tinha 89 anos.

O Dr. Billington foi o 13o bibliotecário do Congresso depois de ter sido nomeado pelo presidente Ronald Reagan em 1987, uma indicação aprovada por unanimidade pelo Senado dos EUA. Ele se aposentou como bibliotecário em 30 de setembro de 2015.

Durante um período de 28 anos, fundou o Festival Nacional do Livro com a primeira-dama Laura Bush, o Centro John Kluge e o Prêmio para o Estudo da Humanidade, o Prêmio Gershwin e o Centro Nacional de Conservação Audiovisual.

Ao longo de uma vida dedicada à erudição e à função pública - durante o qual ele trabalhou com todos os presidentes e congressos desde os anos 1960 até sua aposentadoria - o Dr. Billington desempenhou um papel único na preservação, promoção e divulgação da rica herança cultural dos Estados Unidos.

Nascido em Bryn Mawr, Pensilvânia, em 1 de junho de 1929, foi educado em escolas públicas da área da Filadélfia. O Dr. Billington foi orador da Lower Merion High School e da Universidade de Princeton, onde se formou com as mais altas honrarias em 1950. Em 1953, recebeu o doutorado em história moderna russa do Balliol College da Universidade de Oxford, onde era bolsista da Rhodes.

O Dr. Billington recebeu 42 títulos honorários, bem como a Presidential Citizen's Medal dos EUA, a Ordem da Amizade da Federação Russa e a Ordem Nacional da Legião de Honra da França.

Após o serviço no Exército dos EUA no Gabinete de Estimativas Nacionais do Presidente Eisenhower, ele ensinou história na Universidade de Harvard de 1957 a 1962, e na Universidade de Princeton, onde foi um professor muito popular de 1964 a 1974.

De 1973 a 1987, o Dr. Billington foi diretor do Centro Internacional para Acadêmicos Woodrow Wilson, onde fundou o Instituto Kennan de Estudos Avançados da Rússia, sete outros novos programas e a Wilson Quarterly.

O Dr. Billington é autor de nove livros, incluindo a clássica história cultural russa, The Icon and the Axe e The Face of Russia, um livro que acompanha a série de televisão da PBS.

O Dr. Billington passou mais de 50 anos ajudando os líderes e cidadãos norte-americanos a entender melhor a antiga União Soviética e os Estados que a sucederam, contribuindo para uma maior apreciação dos valores e instituições dos Estados Unidos em países que se estendem por um terço do globo.

Sua primeira visita à Rússia foi em 1958 e acompanhou o presidente e a primeira-dama, Ronald e Nancy Reagan, a Moscou em 1988 para a reunião de cúpula de Reagan com Mikhail Gorbachev.

Durante seu mandato de 28 anos na Biblioteca do Congresso, o Dr. Billington ampliou e aprimorou tecnologicamente os espaços públicos no Edifício Thomas Jefferson, redefinindo-o como um local de exibição nacional que recebeu mais de 100 exposições, muitas com materiais nunca antes mostrados publicamente nos EUA.

Ele duplicou o tamanho das coleções analógicas tradicionais da Biblioteca para mais de 160 milhões de itens e supervisionou iniciativas inovadoras de preservação. O Dr. Billington foi pioneiro na reconstrução da biblioteca original de Thomas Jefferson, usando fundos privados arrecadados pelo Conselho James Madison da Biblioteca, que ele fundou.

O Dr. Billington também fundou o Open World Leadership Centre, que permitiu que mais de 27.000 líderes eurasianos se envolvessem e aprendessem com o processo democrático. Ao mesmo tempo, criou uma nova e considerável presença on-line da Biblioteca do Congresso e lançou uma série de programas inovadores para compartilhar as riquezas educacionais da Biblioteca com milhões de norte-americanos e o mundo. 

O Dr. Billington deixa sua esposa de 61 anos, Marjorie Anne Brennan, que ele descreveu como sua "parceira indispensável em todos os sentidos e em todas as fases de sua vida adulta"; quatro filhos, a Dra. Susan Billington Harper, Anne Billington Fischer, o Rev. James Hadley Billington Jr. e Thomas Keator Billington; e 12 netos.  

Uma foto de alta resolução do Dr. Billington está disponível clicando aqui .

Declarações e depoimentos das principais figuras nacionais e internacionais que conheciam bem o Dr. Billington:

Declaração da Sra. Laura W. Bush:
"O presidente Bush e eu estamos tristes ao saber que os Estados Unidos perderam o Dr. James Billington. O Dr. Billington foi o bibliotecário da nação por 28 anos, liderando a transição da Biblioteca do Congresso para a era digital. Em 2001, ele foi fundamental na criação do Festival Nacional do Livro, que recebeu centenas de milhares de amantes de livros no National Mall e na Biblioteca do Congresso. A paixão de toda a vida do Dr. Billington pela pesquisa e pela preservação da história garantiu que os tesouros literários mais importantes dos Estados Unidos estivessem disponíveis para todas as gerações vindouras. O Presidente Bush e eu enviamos nossos mais sinceros pêsames à esposa do Dr. Billington, Marjorie e aos seus quatro filhos. Ele fará falta." 

Declaração de Nancy Pelosi, líder democrata da Câmara dos EUA:
"O falecimento do Dr. James Billington é uma profunda perda para sua família e entes queridos, bem como para nossa nação. Durante sua longa e prolífica carreira, o Dr. Billington tornou-se um incansável administrador da história norte-americana, ajudando a proteger e preservar o passado mais estimado de nossa nação para gerações de norte-americanos. 

"O Dr. Billington era um funcionário público com inteligência, dedicação e visão excepcionais. O tempo à frente da Biblioteca do Congresso significou a duplicação da coleção da Biblioteca e o início de seus agora vastos recursos on-line. O Dr. Billington acreditava firmemente que os tesouros da história norte-americana sob seus cuidados pertenciam ao povo, e trabalhou com paixão para garantir que os norte-americanos de todo o país pudessem ter acesso a essas coleções inestimáveis.

"Seja ensinando em Harvard ou Princeton, colaborando com especialistas e acadêmicos, ou sendo professor e consultor de confiança de inúmeros membros do Congresso, o Dr. Billington era um educador comprometido. Sua dedicação à expansão da programação educacional da Biblioteca permitiu que uma geração de jovens norte-americanos descobrisse seu amor pela história e se inspirassem para participar em nosso grande experimento democrático.

"Nossa nação perdeu um verdadeiro patriota e um de seus defensores mais implacáveis. A vida do Dr. Billington e seu notável legado deixaram uma marca indelével em nossa história única, permitindo que gerações de jovens vejam, experimentem e aprendam com a história que ele tão apaixonadamente promoveu. Que seja um pequeno consolo para sua amorosa esposa, Marjorie, seus filhos, Susan, Anne, James Jr. e Thomas, e toda a família Billington que tantos estejam de luto com eles neste momento difícil".

Declaração da ex-secretária de Estado dos EUA, Condoleeza Rice:
"Estou profundamente triste com a notícia da morte do Dr. Jim Billington. Ele era original - brilhante, atencioso e gentil. Dirigiu a Biblioteca do Congresso com habilidade e paixão. Em uma nota pessoal, ele foi um grande modelo para mim como acadêmico e funcionário público. Seu clássico trabalho, The Icon and the Axe, é literalmente o livro que atraiu essa estudante fracassada de música para o estudo da União Soviética. Tal foi o alcance de sua influência neste campo. Eu me junto a todos seus amigos e colegas enviando meus pensamentos e orações para Marjorie e a família Billington."

Declaração de Nina Khrushcheva, professora de Assuntos Internacionais, The New School e neta de Leonid Khrushchev, o filho mais velho do ex-premiê soviético Nikita Khrushchev "O Dr. Billington era uma figura tão importante nos estudos russos e no campo das relações EUA-Rússia que sua morte será muito sentida por décadas. Em seu trabalho, seja como acadêmico ou bibliotecário do Congresso, ele fundiu brilhantemente a arte e a política, tudo para que os Estados Unidos pudessem entender e apreciar melhor outras culturas ao redor do mundo. A Rússia, sua área de especialização, teve muita sorte. O livro de James Billington, The Icon and the Axe, foi um ícone para as gerações tanto de russos quanto russianistas. Nos dias sombrios da União Soviética, nós, os russos, tentamos entender nossa própria cultura através do olhar crítico, conhecedor e gentil do Dr. Billington. Ao mesmo tempo, sua abordagem filosófica e histórica do complexo país de bombas, balé e irmãos Karamazov tornou-se um roteiro para o estudo da cultura e da política russas para muitos estudiosos que seguiram seus passos. Que sua alma descanse em paz."

Declaração de David M. Rubenstein sobre o falecimento do Dr. James Billington 21 de novembro de 2018:
"Jim Billington foi um dos melhores funcionários públicos - na verdade, um dos melhores norte-americanos - que já tive o privilégio de conhecer. Sua dedicação ao nosso país, e nas últimas três décadas de sua vida à Biblioteca do Congresso, faz com que todos os norte-americanos estejam em dívida com ele. Jim ajudou a transformar a Biblioteca do Congresso na biblioteca do povo norte-americano - um tesouro nacional disponível e que beneficia todos os norte-americanos. Aqueles que tiveram a sorte de conhecê-lo e trabalhar com ele sentirão muito a sua falta." 

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/788323/James_Hadley_Billington.jpg  

FONTE The Family of James H. Billington