MEC promove capacitação de integrantes das Forças Armadas que atuarão nas escolas cívico-militares

28/05/2020 - 14h27 - Por Karoline Figueiredo

O Ministério da Educação (MEC) iniciou na última terça-feira (26), a capacitação online de 52 militares da reserva das Forças Armadas, que atuarão no novo modelo de escola do país, Cívico-Militar.

Os participantes serão instruídos sobre as ações e responsabilidades no Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares. As aulas seguirão até 29 de maio.

O objetivo da capacitação é oferecer aos militares, condições necessárias para a interação das tarefas de gestão escolar e educacional com a Diretoria de Políticas para Escolas Cívico Militares, responsável pelo programa no MEC; com as secretarias de educação dos estados e municípios que aderiram o programa; e com a direção das escolas selecionadas para o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares.

"Nosso objetivo nesta semana é apresentar o modelo de gestão das escolas cívico-militares, o funcionamento do programa e, principalmente, trabalhar na construção da gestão das referidas escolas", declarou o Diretor de Políticas para as Escolas Cívico-Militares do MEC, Aroldo Cursino.

"As escolas serão implantadas para atender alunos em situação de vulnerabilidade social e as escolas com baixo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) na média estadual, permitindo que esses alunos sejam protagonistas de suas vidas por intermédio da educação", informou Cursino.

De acordo com o MEC, será preservado a exclusividade das atribuições dos profissionais da educação previstas na Lei de Diretrizes e Bases (LDB). A previsão é que 216 escolas do Programa sejam implantadas até 2023.

A gestão de excelência das Escolas Cívico-Militares vai abranger as seguintes áreas:

  • didático-pedagógica: com atividades de supervisão escolar e psicopedagogia para melhorar o processo de ensino e de aprendizagem, preservando as atribuições exclusivas dos docentes;
  • educacional: pretende fortalecer os valores humanos, éticos e morais, bem como incentivar a formação integral do aluno como cidadão e promover a sensação de pertencimento no ambiente escolar; e
  • administrativa: objetiva aprimorar a infraestrutura e a organização da escola e, consequentemente, a utilização de recursos disponíveis na unidade escolar. Os militares atuarão, prioritariamente, na área educacional e prestarão assessoramento nas áreas administrativa e didático-pedagógica. O governo preservará a exclusividade das atribuições dos profissionais da educação previstas na LDB.

Para mais informações acesse o portal do MEC.