Ministro da educação descreve Paulo Freire como representação do 'fracasso na educação'

07/05/2020 - 16h43 - Por Karoline Figueiredo

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a gerar polêmica nas redes sociais nesta quinta-feira (7), ao falar sobre o mural de Paulo Freire localizado na frente do Ministério da Educação (MEC).

"Devemos retirar o mural de Paulo Freire em frente ao MEC? Acho que deve ser mantido, até que o Brasil deixe de ser o pior país na América do Sul (PISA 2018). Paulo Freire representa o fracasso da educação esquerdista (FHC+PT). Um dia, o Brasil terá outro patrono da educação"!, declarou o ministro em sua conta no twitter.

Em anexo ao seu post, estava uma imagem de Dom Pedro II contendo a seguinte frase: "Se não fosse imperador desejaria ser professor. Não conheço missão maior e mais nobre".

Paulo Freire (1.921-1.997):

Foi um educador brasileiro, que criou um método inovador no ensino da alfabetização. Seu método passou a ser utilizado em diversos países.

Foi professor de Língua Portuguesa e em 1.943 ingressou na Faculdade de Direito de Recife. Em 1.947 foi nomeado diretor do setor de Educação e Cultura do Serviço Social da Indústria. Em 1.955, junto com outros educadores, fundou o Instituto Capibaribe - uma escola inovadora que continua em atividade.

Paulo Freire também lançou os livros Pedagogia do Oprimido e Pedagogia da Autonomia.