Próximas edições do Ciência sem Fronteiras focarão em estudantes pobres do ensino médio

03/08/2016 - 12h14 - Por Thaís Ferraz





A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divulgou, na semana passada, uma nota que apresenta alterações fundamentais no programa Ciência sem Fronteiras. De acordo com o documento, uma análise preliminar identificou a necessidade de reformulação do programa, que passará a priorizar duas áreas: pós-graduação e ensino médio. A íntegra do texto pode ser conferida neste link. 

A Capes afirma que a primeira fase do programa já estava finalizada quando a atual gestão assumiu seu posto. Ao avaliar esta primeira etapa, os responsáveis identificaram alguns problemas do projeto, como a falta de participação ativa da instituições participantes e o custo elevado para a graduação sanduíche. Por isso, o programa será retomado com novo enfoque. Nas próximas edições, a Capes pretende oferecer bolsas de ensino de idiomas, no país e no exterior, para estudantes pobres do ensino médio que estejam matriculados em escolas públicas. A Coordenadoria ainda não divulgou possíveis datas para os próximos processos seletivos.

O documento destaca que a mudança de foco é exclusiva para intercâmbio de graduação e não afetará as bolsas de pós-graduação (doutorado e pós-doutorado, atração de jovens cientistas), que poderão, "dentro do limite financeiro disponível", ser ampliadas.  A Capes também afirma que "o governo reitera a importância da iniciativa e vê como necessária a reformulação do programa, para contribuir com o processo de internacionalização do ensino superior e da ciência, tecnologia e inovação no Brasil."