Novo Relatório da ACNUR mostra que violência e crise climática expulsaram de casa 84 milhões de pessoas

17/11/2021 - 15h06 - Por Karoline Figueiredo
Sempre abrir.

A Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), divulgou na última quinta-feira (11), o novo relatório (realizado semestralmente) sobre os motivos que levam pessoas a deixarem seus lares no mundo todo. O documento apontou que neste ano, o número de pessoas atingidas ultrapassou 84 milhões.

Segundo a ACNUR, as principais causas de deslocamento de residência estão a violência, a insegurança e as mudanças climáticas. No relatório de dezembro do ano passado (2020), a marca era de 82,4 milhões, o que revela um aumento significativo e preocupante comparado a este ano de 2021. O crescimento é atribuído ao deslocamento interno motivado principalmente por conflitos, especialmente na África.

As restrições fronteiriças impostas durante a pandemia de Covid-19, dificultaram ainda mais o acesso destas pessoas aos asilos. "A comunidade internacional está falhando em evitar a violência, perseguições e violações dos direitos humanos, que continuam a expulsar as pessoas de suas casas", informou o alto-comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi.

Os cinco países de origem da maioria dos novos refugiadas são República Centro-Africana (71,8 mil); Sudão do Sul (61,7 mil); Síria (38,8); Afeganistão (25,2 mil); e Nigéria (20,3 mil).

"A comunidade internacional devem redobrar seus esforços para construir a paz e, ao mesmo tempo, garantir que os recursos estejam disponíveis para as comunidades deslocadas e seus anfitriões", alertou Grandi.

De acordo com o relatório ainda, uma mistura de fatores agravam ainda mais a situação humanitária destes refugiados: Covid-19, pobreza, insegurança alimentar e emergência climática.

Para mais informações acesse o relatório e a página da ONU-Brasil.