UNICEF e OMS alertam risco para aumento de casos de pólio e sarampo

06/11/2020 - 18h59 - Por Karoline Figueiredo

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) ressaltam que milhões de crianças no mundo estão com maior risco de contrair pólio e sarampo, em consequência da interrupção de programas de imunização vitais, devido a pandemia causada por Covid-19.

As doenças são perigosas, no entanto, preveníveis. Segundo as agências, as taxas de imunizações caíram até 50% em alguns países, principalmente por questões de impossibilidade de acesso ao sistema de saúde que ocorrem por lockdowns, paralisação no transporte, ou falta de locomoção por medo de contrair Covid-19.

As campanhas de vacinação contra pólio e sarampo - voltadas ao preenchimento de lacunas em serviços essenciais, também foram interrompidas para que fossem evitadas possíveis contaminações do coronavírus.

"A Covid-19 tem provocado efeitos devastadores nos serviços de saúde e em particular nos serviços de imunização em todo o mundo. Mas ao contrário da Covid-19, temos as ferramentas e conhecimento para deter doenças como pólio e sarampo. O que precisamos é de recursos e comprometimento para colocar estas ferramentas e conhecimento em ação. Se fizermos isto, as vidas das crianças são salvas", explicou o diretor-geral da OMS, Said Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O UNICEF e a OMS informaram que são necessários 655 milhões de dólares para enfrentar as lacunas de imunização em países de média-renda, que não são elegíveis para assistência GAV (organização internacional criada em 2000 para aumentar o acesso às vacinas para crianças nos países mais pobres). Do total do valor estimado, 400 milhões são necessários para apoiar a resposta a um surto de pólio em 2020/2021, e 255 milhões para preparar, prevenir e responder a surtos de sarampo nos próximos três anos.

Na prevenção deste cenário, as agências lançaram chamado urgente alertando que, caso tais iniciativas não sejam tomadas, os surtos serão ainda maiores e explosivos com potencial de alastramento internacional para pólio e sarampo.

Para mais informações acesse o portal da ONU.