Ilhas Canárias

É conhecido pelo nome de Ilhas Canárias um arquipélago localizado no continente africano, a pouca distância do litoral marroquino.  Com uma área de 7446 km ²,  ligeiramente maior que a do Distrito Federal, as ilhas constituem uma comunidade autônoma espanhola, cuja capital administrativa é partilhada entre duas cidades: Las Palmas de Gran Canaria e Santa Cruz de Tenerife.

Mapa das Ilhas Canárias. Ilustração: Oona Räisänen (Mysid) [Public domain], via Wikimedia Commons

Mapa das Ilhas Canárias. Ilustração: Oona Räisänen (Mysid) [Public domain], via Wikimedia Commons

O conjunto possui ao todo sete ilhas e seis ilhotas. As ilhas são: El Hierro, La Gomera, La Palma, Tenerife, Fuerteventura, Gran Canaria e Lanzarote. Ao norte desta última se encontra o arquipélago de cinco ilhas denominado Chinijo: La Graciosa, Alegranza, Montaña Clara, Roque del Este e Roque Oeste; finalmente, a dois quilômetros a nordeste de Fuerteventura localiza-se a ilhota de Lobos. A maior ilha do arquipélago é a de Tenerife (2.034,38 km ²) e a menor é El Hierro (268,71 km ²). As Canárias possuem origem vulcânica e fazem parte da ecorregião da Macaronésia, nome dado às ilhas situadas no Atlântico Norte, perto da África (Açores, Madeira, Cabo Verde e Canárias).

Ilhas Afortunadas, Campos Elíseos, ou Jardim das Hespérides são alguns dos nomes encontrados em antigos escritos gregos e romanos com referência sobre as Canárias. O nome atual é derivado do latim canis (cão), resultando em "ilha dos cães". De acordo com Plínio, o velho, o nome foi dado às ilhas como referência a dois grandes mastins que emissários do rei Juba II da Mauritânia lá capturaram e, posteriormente, trouxeram à Mauritânia (antigo reino aliado a Roma, sem relação com a atual Mauritânia). A imagem dos cães ainda hoje está conservada no brasão das Canárias.

Até o século XIV as Canárias eram habitadas pelos guanches, um povo associado aos berberes, grupo ainda hoje predominante no norte da África. Eles ocupavam os penhascos, cavernas ou formavam ainda pequenas aldeias com casas circulares.

Em 1496 as ilhas são formalmente anexadas à Espanha, após uma série de lutas com o povo nativo. Com o tempo, o povo guanche seria extinto, tanto por meio da perseguição quanto da assimilação pelos emigrantes espanhóis. Com as grandes navegações do século XVI, o arquipélago torna-se importante centro de abastecimento de galeões espanhóis, o que atrairá também a pirataria. Mais tarde, com a independência das colônias espanholas, a economia do território entra em declínio, o que força boa parte da população a emigrar para outras regiões. Atualmente, a maior fonte de renda das Canárias é o turismo. Como comunidade autônoma, as Canárias são administradas por meio de um governo autônomo (equivalente ao executivo), representado pelo presidente, além de um parlamento regional (legislativo).

Fontes:
Islas Canarias (em espanhol). Disponível em: < http://www.islas-canarias.es/ >. Acesso: 25/03/13.

Arquivado em: África