Arte na Educação Infantil

Por Ana Lucia Santana
Até recentemente a educação infantil não estava inserida no ciclo básico, mas a Lei de Diretrizes e Bases da Educação 9.394/96 permitiu que este estágio pedagógico encontrasse sua própria posição no esforço de formação das crianças; da mesma forma a arte abriu caminho neste espaço pioneiro, uma vez que ela exerce uma tarefa essencial nesta esfera educacional, englobando os fatores do conhecimento, da sensibilidade e da cultura.

A criança tem uma mentalidade semelhante à do artista, pois ambos ingressam facilmente no universo do faz de conta, aplicando o dom de fantasiar a tudo e fingindo que algo é, na verdade, alguma coisa bem diferente. Assim, um mero traço pode se converter no telhado de uma casa.

Tanto os infantes quanto os artífices vêem as coisas a sua volta de uma forma especial, pois sua percepção mais apurada e sensível lhes permite significar o mundo por meio de configurações únicas. Eles usam suas faculdades, mais penetrantes do que as dos meros mortais, para idear, criar e simbolizar.

Este surto criativo permanece na criança até cerca de 6 ou 7 anos de idade, por conta de inúmeros fatores psíquicos, e a partir deste momento a maior parte dos indivíduos deixa de lado esta tendência potencial e segue outros caminhos. Infelizmente os movimentos pedagógicos dominantes, ao invés de estimular os futuros adultos a desenvolverem seus dons artísticos, optam por refrear os impulsos criativos e a livre capacidade de expressão dos aprendizes.

Assim, a educação, que deveria privilegiar a liberdade de manifestação dos alunos, acaba por reprimir o lado perceptivo das crianças, antes que possa ser plenamente aprimorado. Os professores levam para as salas de aula seus pontos de vista sobre a arte, o qual espelha o discurso predominante na esfera social. Assim, eles reforçam determinadas ideias, como, por exemplo, a de que a produção artística é algo que emana do nada, da mente de um gênio criador.

Pesquisas recentes indicam que o ensino de arte na educação infantil ainda parte do antigo conceito de ‘belas-artes’, o qual confere às obras um significado geral e inalterável; da mesma forma os métodos pedagógicos, neste campo, fundamentam-se em enfoques empíricos e / ou inatos, ou seja, referentes àquilo que já nasce com o Homem.

Desta forma, a ideia que estes professores têm sobre o ensino da arte reflete-se nos seus planejamentos, na aplicação dos métodos à prática pedagógica, na seleção dos instrumentos com os quais os alunos irão trabalhar, e na própria interação do aluno com esta disciplina. Não é de se admirar, portanto, que eles ofereçam aos estudantes atividades que envolvem a pintura de imagens mimeografadas, cópias de linhas distintas, colagens sobre formatos anteriormente elaborados pelos mestres, bem como o aprendizado de variadas técnicas artísticas.

A maior parte dos educadores não leva em conta que tais metodologias estão completamente defasadas dos modernos mecanismos de interação com o campo visual, não se ajustam à relação que, desde cedo, as crianças mantêm com o universo imagético. Além disso, o suprimento de modelos que devem ser reproduzidos implica na imposição da visão de arte do professor e, por extensão, da sociedade, o que definitivamente tolhe o impulso criativo do público infantil, diferenciado em cada um.

O critério de excelência, nestes casos, é o quanto o aluno consegue aproximar sua produção artística do molde que lhe foi concedido. Não importa, portanto, a liberdade de interpretação de cada criança ou o toque de qualidade de sua obra, independente da fidelidade ao modelo imposto pela prática pedagógica. Assim o ensino de arte visa, na práxis, preparar o aluno para que ele possa escrever com a devida coordenação motora, ou conquistar o dom de delinear letras e números.

Fontes:
http://www.culturainfancia.com.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&catid=52:arte-educacao&id=503:como-vai-a-arte-na-educacao-infantil&Itemid=110
http://www.artenaescola.org.br/pesquise_artigos_texto.php?id_m=24