Cingapura

Por Ana Lucia Santana
Cingapura (ou Singapura) é uma das três cidade-estado com autoridade suprema remanescentes no Planeta, ao lado do Vaticano e de Mônaco, embora seja bem mais extensa do que suas companheiras geográficas, ocupando uma região que alcança os 710,2 km². Ela está situada na ponta sul da Península malaia, ao norte da região equatorial e da Indonésia, constituindo o país de menor porte do Sudeste da Ásia.

Por estar situada em um território de intersecção entre diversas vias de intercâmbio comercial com o exterior, seu potencial exportador foi amplamente explorado e Cingapura se transformou em importante núcleo financeiro, atuando nesta região como valioso empório, no qual circulam livremente as riquezas produzidas neste circuito. Além disso, ocupa a posição de terceiro maior reduto de refinação de petróleo do mundo.

Esta rica nação, expressamente povoada, teve uma origem modesta; nasceu como uma singela comunidade de pescadores malaios, na garganta do Rio Singapura. Ela era então habitada também por nativos Orang-Laut, que se espalhavam ao longo do litoral, dos rios e das ilhas de menor extensão.

Em 1819 a Companhia Britânica das Índias Orientais, comandada por Sir Stamford Raffles, criou nesta região insular uma administração liderada por um feitor, a qual atuou como um porto na via das especiarias. A partir de então Cingapura foi gradualmente se transformando em uma das mais significativas esferas comerciais e bélicas da Inglaterra; um núcleo do Império Britânico no Sudeste asiático.

Foi no transcurso da Segunda Guerra Mundial que a colônia caiu nas mãos dos japoneses, depois da Batalha de Singapura; mas em 1945 a Inglaterra resgatou Cingapura, que, em 1963, conquistou a almejada autonomia, unindo-se a Malaya, Sabah e Sarawak para gerar o território da Malásia. Após dois anos, porém, a cidade-estado se emancipou desta constelação e se tornou uma república independente no dia 9 de agosto de 1965.

República parlamentarista, Cingapura constitui atualmente uma economia de mercado fundamentada no capitalismo financeiro e industrial vigente na era contemporânea. Ela exporta principalmente maquinário e avançados utensílios eletrônicos. Com vocação para a industrialização, esta cidade-estado não dispõe de possibilidades para se dedicar à atividade agrária, pois lhe faltam espaço e matéria-prima.

Sua economia exportadora, porém, não cessa de se desenvolver e de impulsionar Cingapura ao mesmo nível em que se encontram os demais países em fase de emersão. O padrão de existência da sua população se elevou radicalmente depois da conquista da autonomia. Os investimentos econômicos atingem principalmente os campos da indústria, da educação e do planejamento urbano.

A atividade industrial da ilha privilegia especialmente as multinacionais originárias de outros países; os raros empreendimentos de Cingapura estão intensamente vinculadas aos órgãos oficiais. Esta cidade-estado é hoje o 5º país mais próspero do globo no que se refere ao Produto Interno Bruto (PIB) per capita.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Singapura
http://www.global21.com.br/guiadoexportador/cingapura.asp