Diego Rivera

Diego Rivera, um dos maiores artistas plásticos mexicanos, especializado na prática do muralismo mexicano, nasceu no dia 8 de dezembro de 1886, na cidade de Guanajuato, no México. De ascendência judaica, ele iniciou sua trajetória artística estudando na Academia de Bellas Artes de San Carlos, no seu país de origem. Aos 21 anos ele teve a oportunidade de ir para a Europa, com o auxílio de uma bolsa de estudos, aí permanecendo até 1921.

A passagem de Rivera pelo continente europeu aprimora sua vocação para as artes, uma vez que neste período ele conhece vários artistas, como Pablo Picasso, Salvador Dalí, Juan Miró, além do arquiteto Antoni Gaudí, e movimentos estéticos que se tornaram fonte de inspiração para sua produção artística.

Ao retornar para sua terra natal ele passa a se devotar à pintura mural – arte de pintar sobre um muro, em sua face exterior, como num fresco, ou em um painel exposto constantemente – tentando assim resgatar a perdida suntuosidade da era pré-colombiana vivida pelo México, sufocada sob longa tirania colonial e opressiva exploração oligárquica, subjugada pela cultura metropolitana importada da Espanha.

Procurando conquistar um pouco desta grandiosidade ancestral, Rivera opta pelo muralismo, ao lado de artistas como José Clemente Orozco e David Siqueiros. Além disso, ele considerava a pintura convencional como uma arte burguesa, pois o fruto deste trabalho ia, normalmente, para a clausura das coleções particulares. O pintor produz, assim, uma obra que tem as proporções de um monumento, não só na sua forma, mas principalmente no seu teor. Ele criou, entre 1921 e 1956, um total de 6.730 m2, distribuídos por dezenove prédios no México, oito nos Estados Unidos, um na China e um na Polônia.

Diego iniciou seus trabalhos em um ateliê madrilenho, na Espanha. É quando ele encontra sua primeira mulher, a pintora russa Angelina Beloff, que logo depois de lhe conceder um filho, morre. Em 1929 ele contrai matrimônio com a artista plástica mexicana Frida Kahlo. Alguns estudiosos da biografia desta controvertida pintora crêem, baseados na autópsia de seu corpo, que sua morte teria sido provocada por uma das amantes de Diego, por meio de um veneno. Esta questão remete ao rol de amantes que passaram pela vida deste artista; apesar de não ser nada bonito, ele estava sempre cercado de belas mulheres.

A militância política de Rivera era outro aspecto importante de sua vida. Comunista, sua ideologia transparece com clareza entre os temas de sua obra. Em seus trabalhos é comum ver a presença dos indígenas, retratados em sua face sócio-histórica, sob um ponto de vista estritamente idealizado. Seus personagens guardam características clássicas, pois embora representadas em um estilo bi-dimensional, estas imagens se encorpam, inspiradas nas pinturas renascentistas e nas vivências do artista com o Cubismo.

Entre suas obras murais, são célebres as do Palácio do Governo, de 1929, e as do Palácio Nacional, de 1935, no México. Mas ele também atuou em Nova York, empenhando-se em um trabalho monumental no Rockfeller Center, de 1930 a 1934, o qual foi eliminado antes de sua conclusão, pois empreendia uma dura crítica ao sistema capitalista.

Diego Rivera, depois de produzir mais de dois mil quadros, cinco mil desenhos e cerca de quatro mil metros quadrados de pintura mural, morreu no dia 24 de novembro de 1957, na cidade de San Ángel.

Fontes
http://pt.wikipedia.org/wiki/Diego_Rivera
http://www.citi.pt/cultura/artes_plasticas/desenho/alvaro_cunhal/rivera.html

Arquivado em: Biografias, Pintura