Erasmo de Roterdã

Por Emerson Santiago
Erasmo de Roterdã ou Desidério Erasmo (nome literário adotado por Geert Geerts – Roterdã ou Gouda, Holanda, 28 de outubro de 1466/7 ou 69; Basiléia, Suíça, 12 de julho de 1536) foi um humanista e filósofo holandês famoso pelo seu amplo conhecimento dos mais diversos assuntos ligados ao conhecimento humano, além de um dos maiores críticos do dogma católico romano e da imoralidade do clero.

Filho ilegítimo de um padre, acabou por ordenar-se monge. Estudou na Holanda e França antes de viajar para a Inglaterra em 1498, onde estudou grego na Universidade de Oxford. Publica seu primeiro tratado teológico em 1503, o Manual do Cavaleiro Cristão, e logo depois parte para Veneza e Roma, para ser recebido pelo papa Júlio II. Em 1499 retorna à Inglaterra, e faz amizade com intelectuais locais, em especial Thomas More. É nesta época que escreve sua obra-prima, O Elogio da Loucura, que defendia a tolerância e a liberdade de pensamento e denunciava as ações da Igreja..

Embora fosse clérigo e profundamente cristão, Erasmo de Roterdã ficará conhecido pela sua oposição ao domínio exercido pela Igreja sobre a educação, a cultura e a ciência. Era preciso muita ousadia para ir contra as instituições religiosas da época, que tinham um controle rígido sob vários aspectos da vida das pessoas.

O pensamento de Erasmo era caracterizado pela liberação da criatividade e da vontade do ser humano, que ia de encontro ao pensamento escolástico, segundo o qual todas as questões terrenas tinham resposta na doutrina religiosa. Essa liberdade de pensamento será utilizada contra Erasmo, que é acusado de inspirar Martinho Lutero a se rebelar contra a Igreja, num episódio que se desdobraria em outras disputas teológicas até o final de sua vida.

Entre os vários ramos do conhecimento que interessaram a Erasmo, destaca-se sua dedicação no conhecimento das línguas antigas, o que semeou o terreno para o estudo do passado, em particular dos relatos do Novo Testamento e dos primeiros pensadores da fé cristã. Inspirados nos clássicos greco-romanos, os intelectuais da época como Erasmo defendiam a exaltação da beleza e do prazer, considerados mais interessantes do que as abstrações da filosofia escolástica. Outras expressões humanas condenadas pela Igreja, como o prazer físico e o bom humor não conflitam com o cristianismo em sua moderna visão. Convites de nobres e atividades acadêmicas levaram Erasmo a viajar pela Europa até sua morte, em 1536, em Basiléia, na Suíça.

Suas obras popularizaram-se pela imaginação e estilo claro e descritivo, e suas sátiras lhe renderam bastantes inimigos. Entre seus trabalhos mais importantes estão, além de O Elogio da Loucura (1509), De Duplici Copia Verborum et Rerum (1511); Os Pais Cristãos (1521); Colóquios Familiares (1516-1536); De Libero Arbitrio (1526); As Navegações dos Antigos (1532) e Preparação para a Morte (1533).

Bibliografia:
FERRARI, Márcio. Erasmo de Roterdã. Disponível em: <http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/erasmo-roterda-307345.shtml> Acesso em: 06 jun. 2012.
Erasmo de Roterdã. Disponível em: <http://www.netsaber.com.br/biografias/ver_biografia_c_962.html> Acesso em: 06 jun. 2012.
Erasmo de Roterdã. Disponível em: <http://www.sohistoria.com.br/biografias/roterda/> Acesso em: 06 jun. 2012.