Jan Amos Comenius

Por Ana Lucia Santana
Comenius, mestre, cientista, escritor e integrante da classe eclesiástica, nasceu no dia 28 de março de 1592, no município de Nivnitz, na Morávia, região localizada na Europa central, atualmente território da República Checa. Ele foi educado em um núcleo familiar protestante, no interior da igreja dos Irmãos Morávios, que adotava a linha de Jan Huss, dentro de um padrão de estrita humildade, singeleza e princípios inflexíveis e devotos.

Esta formação espiritual marcou decisivamente a mente de Comenius e o inclinou a seguir a vocação teológica. Ao completar 12 anos ele viu sua família deixar a vida; órfão, conheceu a educação desprovida de afeto, a rigidez do sistema escolar, com a imagem terrível do professor despótico, as lições pretensamente dogmáticas, dotadas de uma verdade absoluta, as temidas palmatórias e a característica severidade. O garoto recebe, neste ambiente lúgubre, tão somente os rudimentos da arte de ler, escrever e contar.

Estes elementos compõem a infância e a juventude de Comenius, e é justamente a forma como eles marcam seu espírito que o levam a desenvolver os alicerces do que ele considera a Didática Moderna, sistematizada em sua obra principal Didática Magna. O escritor se converte, então, no primeiro educador ocidental a privilegiar a interação entre os pólos instrução/aprendizagem, do ponto de vista das distinções entre estes princípios. Sua teoria era, sem dúvida, inovadora para a época, o século XVII.

A fatalidade parecia perseguir este pensador; convertido, aos 26 anos, em pastor da Igreja que sempre freqüentou, passou a residir em Fulnek, capital moraviana. Nesta região, assolada pela Guerra dos Trinta Anos, ele contraiu matrimônio e teve filhos, mas novamente testemunhou seus familiares serem levados pela morte em uma epidemia que devastou a cidade, após a invasão da Espanha, em 1621. Além de tudo, Comenius também se viu despojado de seus livros e textos.

Segue para a Polônia em 1628, exilando-se dos assédios da intolerância religiosa. Aí o educador elabora panfletos de natureza religiosa, estimulando seus companheiros de fé. Sua popularidade se acentua e Comenius conquista seguidores de suas ideias na Inglaterra; na Suécia ele trava contato com o filósofo René Descartes.

Sua educação foi consumada na Universidade Calvinista de Herbron, na Alemanha, onde ele se graduou em Teologia e consolidou seus conhecimentos culturais; sua formação foi complementada na Universidade de Heidelberg. A metodologia didática do autor foi exposta em uma doutrina de teor filosófico denominada pansophia; os princípios contidos neste corpo doutrinário inspiraram as principais modificações na esfera da educação e o pensamento dos principais teóricos da história desta disciplina.

Seu sistema de ensino reafirma a igualdade de direito de todos os indivíduos no que tange ao acesso à esfera do conhecimento. Ele propõe a educação concreta e persistente; uma pedagogia veloz, econômica e sem esforço excessivo; a instrução com base na vivência cotidiana de cada um; o saber científico e artístico integral; o ensino congregado em um todo.

A atuação principal de Comenius se concentrou em Amsterdã, cidade na qual ele permaneceu até sua morte, precedida pela fama em todo o continente europeu; entre seus discípulos encontram-se Jean-Jacques Rousseau, John Locke e J. H. Pestalozzi. Em 1649 ele contrai novo matrimônio. O educador encontra a morte no dia 15 de novembro de 1670, combatendo até o final a intolerância. Ele foi sepultado em Naarden, e em seu sepulcro foi erguido um mausoléu. Seus ideais permitiram o surgimento, 300 anos depois, de um órgão como a UNESCO.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Comenius
http://www.netsaber.com.br/biografias/ver_biografia_c_2391.html