Max Planck

Por Luiz Bruno Vianna
Max Karl Ernst Ludwig Planck, cientista alemão nascido em Kiel no dia 23 de abril de 1858, abriu caminho para o que hoje conhecemos como teoria quântica.

Pertencendo a uma família de grande tradição acadêmica, Planck estudou nas Universidades de Munique e Berlim, onde teve aulas com Helmholtz e Kirchhoff, e recebeu seu doutorado, em 1879. Até o contato com esses dois grandes cientistas, ainda tinha dúvidas entre seguir a carreira musical ou a científica.

Ele foi Professor em Munique de 1880 a 1885, em seguida, Professor Associado de Física Teórica, em Kiel, até 1889. Com a morte de Kirchkoff, assumiu a Cátedra de Física Teórica da Universidade de Berlim (1887), onde foi posteriormente reitor. Permaneceu trabalhando nesta Universidade até sua aposentadoria em 1926. Mais tarde ele se tornou presidente da Sociedade para a Promoção da Ciência Kaiser Wilhelm (hoje Sociedade Max Planck), um posto que ocupou até 1937. A Academia Prussiana de Ciências o nomeou membro em 1894 e Secretário Permanente, em 1912.

Os primeiros trabalhos de Planck foram sobre termodinâmica. Também publicou trabalhos sobre a entropia, termoeletricidade e na teoria das soluções diluídas.

Ao mesmo tempo, também os problemas da radiação envolveram sua atenção. A partir desses estudos, foi levado para o problema da distribuição de energia no espectro de radiação total. Levando em conta as teorias clássicas, a Energia emitida por um corpo que não reflete luz (objeto teórico conhecido como Corpo Negro) deveria variar na mesma proporção da temperatura. Na prática, não era isso que acontecia. Planck foi capaz de deduzir a relação entre a energia e a frequência da radiação. Em um artigo publicado em 1900, ele anunciou essa relação:

E=h.f

Onde E é energia, f é frequência e h é uma constante universal, hoje conhecida como Constante de Planck. Esta constante foi baseada na idéia revolucionária de que a energia emitida por um corpo negro só poderia assumir valores discretos conhecidos como quanta (palavra vinda do latim). Um quantum seria um pacote de energia emitido e quanta é plural de quantum.

Essa descoberta foi determinante para a física atômica, pois fundamentou o modelo atômico de Niels Bohr (1913) e abriu caminho para a teoria de Einstein que explica o efeito fotoelétrico. A introdução do conceito de descontinuidade contrariou o princípio do filósofo alemão Wilhelm Leibniz, "Natura non facit saltus" (a natureza não dá saltos), que dominava todos os ramos da ciência na época, tornando-se a teoria quântica, na grande revolução que levou à Física Moderna do século XX. Foi o ponto de partida de uma nova lógica nas várias pesquisas sobre a estrutura do átomo, radiatividade e ondulatória e rendeu a Max Planck o Prêmio Nobel de Física de 1918.

Planck enfrentou um período conturbado e trágico de sua vida durante o governo nazista na Alemanha, quando sentiu que era seu dever permanecer em seu país, mas era abertamente contrário a algumas das políticas do Governo, principalmente quanto à perseguição dos judeus. Nas últimas semanas da guerra sofreu grandes dificuldades após a sua casa ter sido destruída por um bombardeio.

Era venerado pelos seus colegas, não só pela importância de suas descobertas, mas também por suas qualidades pessoais. Foi um pianista talentoso, daí ter cogitado seguir carreira como músico durante a juventude.

Planck foi casado duas vezes. Após a sua nomeação, em 1885, para Professor Associado em sua cidade natal Kiel casou-se com uma amiga de infância, Marie Merck.

Fontes:
http://www.apice.coop.br/FisicaNet/HistoriadaFisica/Planck.htm
http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/MaxKPlan.html
http://nobelprize.org