Salvador Dalí

Por Emerson Santiago
Salvador Domingo Felipe Jacinto Dalí i Domènech, Marquês de Dalí de Púbol (Figueres, Catalunha, Espanha, 11 de maio de 1904 - Figueres, Catalunha, Espanha – 23 jan 1989), vulgarmente conhecido como Salvador Dalí, foi um importante pintor catalão, conhecido pelo seu trabalho surrealista. Sua obra pictórica chama a atenção pela ímpar combinação de imagens bizarras, como nos sonhos, com uma técnica acadêmica, tradicional, similar à dos artistas da renascença. Além de seu trabalho na pintura, poucos conhecem a sua enorme versatilidade, pois algumas de suas obras mais populares são esculturas e outros objetos. Dalí realizou ainda interessantes contribuições ao teatro, moda, fotografia, cinema (tendo trabalhado com o mestre do suspense, Alfred Hitchcock), comerciais de televisão e até no campo do design, criando logotipos para produtos.

Desde a infância, Dalí demonstrou interesse pelas artes plásticas. Iniciou sua educação artística na Escola de Desenho Municipal. Em 1916, durante férias de verão em Cadaquès, descobriu a pintura impressionista. Suas primeiras obras, como "Moça à janela", enquadradas numa linha naturalista e minuciosa, já produziam uma ambígua sensação de irrealidade, que se acentuaria posteriormente. Em 1921, entra para a Escola de Belas Artes de São Fernando, em Madri, mas acaba por ser expulso da instituição em 1926, pois afirmava que ninguém ali era suficientemente competente para o avaliar.

Nos quadros fazia experiências com o cubismo e o dadaísmo. Tornou-se amigo do poeta Federico García Lorca e do cineasta Luis Buñuel.

Em 1928, persuadido pelo pintor catalão Joan Miró, transferiu-se para Paris e aderiu ao movimento surrealista. Foi por essa época que conheceu a mulher do poeta Paul Éluard, Gala,(Elena Ivanovna Diakonova, uma imigrante russa) que se tornaria sua companheira e modelo pelo resto da vida. Colaborou então com Luis Buñuel, em dois filmes célebres, Un chien andalou (Um cão andaluz, 1929) e L'Âge d'or (A idade de ouro, 1930).

É a partir daí que irão surgir os melhores trabalhos do mestre catalão, que, com alguma experiência, e desejando o reconhecimento, irá pintar seus melhores trabalhos, em especial "Persistência da Memória", com a icônica imagem dos relógios derretidos. Em 1939 é expulso do grupo artístico surrealista, pois estes adotavam em quase sua totalidade a orientação política marxista, e Dalí, por sua vez se declarava anarco-monárquico. De fato, enquanto vários artistas eram "esquecidos" em meio ao regime franquista, Dalí era prestigiado pela sua admiração pela monarquia e por Franco.

Uma peculiaridade de sua obra era a admiração por certos quadros, que acaba por "citar" indefinidas vezes em seu trabalho. Entre essas pinturas estão "A última ceia", de Leonardo da Vinci, "As meninas", de Velázquez, "Angelus", de Millet, "A batalha de Tetuan", de Meissonier, e "A rendeira", de Vermeer de Delft (seu pintor favorito). Elas aparecem pintadas nos quadros de Dali em diversas formas, sob diversas condições, como sombras, desmembradas, analisadas em diversas dimensões, em sombras, relevos, etc.

Dalí morreu de pneumonia e falha cardíaca na cidade onde nasceu e foi sepultado no átrio principal de seu teatro-museu. Suas últimas obras datam de 1983.

Bibliografia:
Salvador Dalí. Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/biografias/salvador-dali.jhtm>. Acesso em: 24 abr. 2012.

Salvador Dali. Disponível em: <http://www.salvadordali.com.br/>. Acesso em: 24 abr. 2012.