Ictioplâncton

Por Débora Carvalho Meldau
De acordo com a biologia pesqueira, ictioplâncton é o conjunto de ovos e larvas de peixes que apresentam um comportamento planctônico. Essa separação é justificada pela expressiva presença desses estágios nas amostras de plânctons, uma vez que a grande maioria dos teleósteos marinhos encontra-se presentes no plâncton durantes as fases iniciais do ciclo de vida.

A maior parte dos Osteichthyes marinhos emite ovos planctônicos. Os ovos pelágicos normalmente apresentam dimensões reduzidas, cerca de 1mm,  e o diâmetro de sua cápsula pode varia de 0,5 a 5,5 mm, sendo que todos são transparentes e de formato, geralmente, esférico. Os ovos apresentam membrana com poros. O período de desenvolvimento do embrionário varia muito, sendo que cada espécie apresenta o seu, além de ser também influenciado pela temperatura ambiental.

As larvas recém-eclodidas apresentam um saco vitelínico relativamente desenvolvido, que é consumido gradativamente (alimentação endógena). Após desenvolverem progressivamente os sistemas sensorial, circulatório, muscular e digestivo, as larvas passam a consumir organismos planctônicos (alimentação exógena). Durante este período de vida planctônica, as larvas se tornam semelhantes aos animais adultos. No final do período larval, ocorre a transformação gradual ou abrupta, que corresponde à passagem para a fase juvenil. A larva, após esse período de vida planctônica, passa a ter uma existência bentônica, nectônica ou necto-benctônica.

Embora essas sejam as características gerais dos estágios iniciais de vida dos peixes ósseos, existem inúmeras variações. As fases planctônicas dos peixes que habitam águas profundas não foram elucidadas ainda.

Em nenhuma outra fase planctônica é possível observar junto, tantas espécies de peixes cujos adultos apresentam os mais diferentes tamanhos, hábitos alimentares e habitats. Possuem, além da grande importância ecológica, uma enorme importância econômica no contexto da atividade pesqueira. Levantamentos quali-quantitativos do ictioplâncton são de grande importância na compreensão do papel dos ovos e larvas na teia alimentar pelágica; para indicar regiões e períodos de desova; para esclarecimento do recrutamento de indivíduos jovens à população dos adultos; para as estimativas do potencial pesqueiro de uma determinada região e para a otimização da explotação de espécies de interesse econômico.

As causas mais comuns de morte dos ictioplânctons são inanição e predação, ou seja, para sobreviver, a larva necessita encontrar o alimento correto, na hora certa e na quantidade requerida, além de não estar frente a um predador.

Fontes:
http://www.peld.uem.br/Relat2000/2_2_CompBioticoIctioplancton.PDF
http://www.astrosurf.com/re/tese_pre_1984.pdf
http://www.astrosurf.com/re/ictioplancton1.pdf
http://www.ipaq.org.br/vb/showthread.php?47976-O-pl%E2ncton-(artigo)
http://www.tcc.cca.ufsc.br/aquicultura/raqi020.pdf