Divisão celular por Meiose

Por Mayara Lopes Cardoso
Ao processo de divisão celular em que uma célula diploide se divide e dá origem a quatro células haploides, dá-se o nome de meiose. Consiste num processo de grande importância para os seres vivos porque permite que o número de cromossomos seja constante em toda a espécie, além de aumentar a variabilidade das espécies devido às diferentes combinações entre os cromossomos homólogos.

A meiose ocorre em duas fases: a primeira é chamada de reducional, pois reduz pela metade o número de cromossomos, e a segunda é a equacional, porque separa as cromátides, mantendo o número haploide. Antes do início da primeira fase da meiose há a intérfase I, que por sua vez, é dividida em 3 etapas: G1, antes da síntese do DNA em que há o crescimento da célula, S, durante a síntese do DNA e G2, depois da síntese do DNA com replicação dos centríolos.

A primeira fase da meiose é formada pela prófase I, metáfase I, anáfase I e telófase I. Essa etapa se caracteriza por apresentar uma prófase longa e dividida em 5 estágios:

  1. Leptóteno: os cromossomos estão pouco condensados , dispersos pelo núcleo e cada um já está dividido em duas cromátides.
  2. Zigóteno: há o pareamento dos cromossomos homólogos.
  3. Paquíteno: os cromossomos já estão bastante condensados e já se apresentam duplicados. Essa fase da prófase é considerada um das mais importantes, pois nela ocorre um fenômeno denominado crossing-over, a troca de partes dos cromossomos entre si, o que proporciona uma maior variabilidade de espécies.
  4. Diplóteno: a duplicação cromossômica está mais visível e há o início da separação dos cromossomos homólogos. Há a formação dos quiasmas, porções onde as cromátides homólogas se cruzam.
  5. Diacinese: há o fim dos quiasmas, o nucléolo desaparece e a carioteca se desintegra.

Com o final da prófase I temos início da metáfase I, fase em que os cromossomos passam a se localizar na parte equatorial da célula, é formado o fuso e os centrômeros se encontram em lados opostos. Na anáfase I, os cromossomos já duplicados se deslocam para os polos da célula, mas os centrômeros não se dividem como ocorre na mitose. Por último, na telófase I, os cromossomos atingem os polos, as fibras do fuso são desintegradas, a carioteca é reconstituída e há a divisão do citoplasma, processo denominado citocinese.

Ao final da primeira fase, as duas células-filhas têm metade dos cromossomos da célula-mãe, e, como os centrômeros ainda não foram divididos, todos os cromossomos apresentam-se constituídos de duas cromátides. Essas células formadas são sexuais: óvulos, espermatozoides e gametas, também chamadas de células germinativas.

A segunda fase da meiose é precedida pela intérfase II, em que há a duplicação dos centríolos. Essa etapa é mais simples e se parece muito com uma mitose. Na prófase II, há a desintegração das cariotecas das células formadas na primeira fase e a formação de dois novos fusos. Na metáfase II, os cromossomos se orientam no centro do fuso e ainda estão constituídos por duas cromátides. Na anáfase II, os centrômeros finalmente se dividem e há a separação das cromátides, cada centrômero desloca um cromossomo para um polo. Na telófase II, há o descondensação dos cromossomos, a reorganização da carioteca e o ressurgimento do nucléolo, terminando o processo com 4 células-filhas haploides.

Referências
http://www.johnkyrk.com/meiosis.pt.html
http://www.todabiologia.com/citologia/meiose.htm
http://www.profdorival.com.br/resources/Meiose.pdf
http://www.portaleducacao.com.br/biologia/artigos/2130/meiose