Glicerina

Por Susana Lorena
A Glicerina ou glicerol, como também é conhecido é o nome comercial do composto de nomenclatura IUPAC propano 1,2,3- triol. Este é um composto fundamental dentro do sistema metabólico de diversos microorganismos.

Fórmula estrutural da Glicerina

Fórmula estrutural da Glicerina

A Glicerina é um composto atóxico que pode ser utilizado como matéria prima para a produção de diversos produtos e também no meio da produção como, por exemplo, em cosméticos. Por não ter sabor e nem odor, a glicerina vem sendo usada como emoliente e umectante em diversos produtos, como batom, blush, sombra e afins.

Essas mesmas propriedades conferem elasticidade às fibras de tecidos e até evita a quebra das fibras de tabaco na produção de cigarros. É de grande utilidade como lubrificante de equipamentos processadores de alimentos, por não ter problema em entrar em contato com o próprio.

Ultimamente a glicerina vem ganhando um espaço especial nos assuntos sobre química verde. Em busca de novas alternativas para os combustíveis fósseis, altamente poluentes e de fontes cada vez mais escassas, um dos principais substitutos para ele tem sido o biodiesel. A produção de biodiesel por catálise ácida, que é a mais utilizada hoje em dia devido ao seu alto rendimento, produz como subproduto uma grande quantidade de glicerina que não pode ser descartada na natureza. Com o maior investimento na produção dessa forma de combustível alternativo, cada vez mais aumentam as reservas de glicerina. Como espelho dessa crescente produção, tem-se observado a queda gradativa do custo da glicerina.

Normalmente a glicerina é produzida por vias fermentativas ou químicas em processos bem pouco complexos. Se a produção de biodiesel continuar aumentando como vem, em breve essa será a principal fonte de glicerina, tomando o lugar da produção fermentativa que estava ganhando seu espaço no mercado mundial.

Muitas pesquisas são conduzidas a fim de descobrir novas aplicações para a glicerina. Essa tem sido uma grande preocupação, pois se não houver o que fazer com toda essa glicerina produzida, acabará se tornando um fardo para o meio ambiente, indo contra o principal motivo da produção de biodiesel. Uma linha de pesquisas que vem gerando grandes frutos é a conversão microbiana de glicerina em produtos de maiores valores agregados.

A fermentação anaeróbica de glicerina pode resultar na formação de etanol e butanol. Ambos de maior valor agregado. Outro composto valioso produzido é o 1,3-propanodiol, esse composto é um intermediário na síntese de compostos cíclicos e monômeros para poliésteres e poliuretanos. Outras vias de formação desse composto, que não a partir do glicerol, são conhecidas por gerar compostos nocivos, fazendo com que esse seja um dos compostos mais procurados para a produção por via microbiana.

Fontes:
http://www.biotecnologia.com.br/revista/bio37/glicerol.pdf
http://www.biodieselbr.com/biodiesel/glicerina/biodiesel-glicerina.htm