História do Chá

A história do chá remonta aos tempos ancestrais, no território chinês. Entre as lendas que narram o nascimento desta bebida aromática, a mais célebre relata que suas raízes se estendem até 5000 anos atrás, ao governo do Imperador Sheng Nong, popularmente conhecido como o Curandeiro Divino. Tentando solucionar a constante incidência de surtos epidêmicos em seu reino, ele criou uma lei que obrigava o povo a ferver a água antes de ingeri-la.

Um dia, repousando sob uma árvore, o soberano deixou sua xícara de água esfriando um pouco, e logo percebeu que algumas folhas haviam caído sobre o líquido, conferindo-lhe um tom castanho. Ao experimentar a bebida, descobriu que ela possuía um sabor aprazível, difundindo assim o cultivo deste alimento entre seus súditos.

Esta história remete a uma tradicional bebida preparada pelos monges budistas, com folhas de uma planta conhecida tecnicamente como Caméllia Sinensis, cultivada no Himalaia. Nesta época encontrava-se no poder a Dinastia Tang, aproximadamente entre os anos 618 e 906. Neste mesmo período, Lu Yu, monge budista da China, produziu no século VIII a primeira obra importante sobre o chá, intitulada Ch’a Ching. Nela são relatadas as várias formas de se cultivar o chá, e como melhor elaborar esta bebida. Segundo o autor, a China desempenha um papel crucial na disseminação do chá pelo Planeta.

Em princípios do século IX alguns monges provenientes do Japão levaram consigo algumas sementes, iniciando assim o cultivo do hábito que se tornaria tradição neste país. Tanto na China quanto no Japão, o chá conquistou um desenvolvimento sem igual, em todos os ambientes, até mesmo os artísticos e os religiosos, campo no qual passou a integrar um cerimonial sagrado.

O desembarque do chá na Europa se deu gradualmente, a princípio por intermédio da Ásia Central e da Rússia. Depois foi a vez dos portugueses, que realmente disseminaram o uso do chá por toda a Europa, a partir do fim do século XV. Os navios de Portugal transportavam a mercadoria até os portos de Lisboa, sendo daí conduzida para a Holanda e a França. Pioneiramente, um sacerdote jesuíta procedente de Portugal publicou o primeiro livro ocidental sobre o chá.

Não demorou muito para que os portugueses perdessem o privilégio e cedessem a vez para os cargueiros holandeses e franceses. No século XVII a Holanda já detinha uma armada influente. O aventureiro Marco Pólo, ao registrar suas famosas viagens, teria incluído referências ao chá em suas narrativas; o português Gaspar da Cruz teria igualmente se referido a este líquido em uma correspondência direcionada ao seu rei.

Do século XIX em diante, o hábito de consumir o chá se disseminou velozmente na Inglaterra, tornando-se tradicional. A partir das terras inglesas esta bebida se estendeu rapidamente aos Estados Unidos, à Austrália e ao Canadá, até se tornar popular em todo o Planeta. Enquanto isso, no Japão, o preparo do chá tornou-se uma arte, bem como o seu consumo.

Os participantes da cerimônia do chá devem sempre esperar em um recinto, até se desconectarem das preocupações do dia-a-dia. Ao seguir o Chado ou o Caminho do Chá, a pessoa conquista um estágio de sensibilização da alma. O Mestre Sen Rikyu aprimorou, ao longo de toda sua vida, o Chado, convertendo-o em uma filosofia existencial, estabelecendo este ritual como uma forma de transmutar a existência em pura arte. Coube aos monges Zen consolidarem os alicerces espirituais desta prática.

- Chá de Carqueja
- Chá de erva doce
- Chá de erva cidreira
- Chá de Boldo
- Chá de Camomila

Fontes
http://www.nutrociencia.com.br/upload_files/arquivos/Hist%C3%B3ria%20do%20ch%C3%A1.doc
http://cha.web.simplesnet.pt/historia.htm

Arquivado em: Curiosidades