Papiro

O papiro, conhecido desde quarenta séculos antes da era cristã, é certamente o produto mais famoso a ser obtido da planta de mesmo nome (nome científico Cyperus papyrus). Seu uso no Antigo Egito explica-se basicamente pela sua abundância, pois era perfeitamente adaptada às margens do Nilo. A fama do papiro é mais do que merecida, pois ele que deu à humanidade um dos principais instrumentos de seu progresso, o papel. Antes disso, era empregado na fabricação ou calafetagem de embarcações, confecção de pavios de candeeiros a óleo, esteiras, cestos, cordas e cabos resistentes, grossos tecidos, sandálias e outros objetos.

De todos os materiais de suporte para a escrita na antiguidade, o papiro certamente foi o mais prático, por ser flexível e leve. Seu inconveniente era a fragilidade, pois resistia pouco tempo à umidade e queimava facilmente. O exemplar mais antigo que se conhece foi encontrado em Saqqara, na mastaba de um nobre da I dinastia (2920 a 2770 a.C.), chamado Hemaka, mas está em branco. O mais antigo exemplar escrito que se conhece é do final da I dinastia, formado por fragmentos do livro de contas de um templo de Abusir, escrito em egípcio hierático.

No tempo da II dinastia (2770 a 2649 a.C.) o papiro já era comum como suporte à escrita, sendo depois adotado por gregos, romanos, coptas, bizantinos, arameus e árabes. Grande parte da literatura grega e latina chegou até nós em papiros e continuou a ser utilizado até a Idade Média.

No Antigo Egito, produzia-se papiro a partir do caule da planta, cortado em pedaços de até 48 centímetros. Neles eram feitas incisões para retirar a casca verde e permitir a separação das películas, em lâminas finíssimas, manuseadas com cuidado para não se romperem. Estas eram estendidas em uma tábua inclinada sobre as águas para serem molhadas constantemente. Uma primeira camada de tiras era alinhada horizontalmente, e sob esta, uma segunda camada, em posição vertical, formando uma trama. A própria água do Nilo, e o esmagamento das fibras a martelo ativavam a goma natural presente na planta, o que unia as tiras. Depois de comprimidas, batidas e polidas com pedra pomes, o conjunto ficava macio e polido o suficiente para receber a escrita.

As folhas prontas mediam até 48 centímetros de comprimento por 43 centímetros de largura. As peças eram coladas umas às outras, formando grandes rolos, que recebiam hastes de madeira ou marfim em suas extremidades, formando um volume (o equivalente a um livro inteiro na antiguidade). O papiro em rolo, produto de bastante resistência, era um dos principais bens de exportação do Egito antigo e foi, sem sombra de dúvida, um dos maiores legados da época faraônica à civilização.

Bibliografia:
O Papiro. Disponível em: <http://www.fascinioegito.sh06.com/papiros.htm>. Acesso em: 29 set. 2012.

Arquivado em: Curiosidades