População da Argentina

Por Thais Pacievitch
A população da Argentina é de aproximadamente 40.301.927 (estimativa de Julho 2007). A metade da população vive na província de Buenos Aires (pampas) e na Capital Federal, sendo essa a região de maior concentração populacional do país. A região de menor concentração é a Patagônia. A recente crise argentina diminuiu o número de pessoas de classe média e consequentemente aumentou o número da população de classe baixa.

A raça branca é a que predomina, cerca de 97% da população. Essa predominância é conseqüência da imigração européia do ínicio do século XX, sendo que a maioria é de origem espanhola ou italiana. O fato de ser pequena a população de negros no país é resultado da Guerra do Paraguai e de uma epidemia de febre amarela, que dizimou grande parte dos negros que viviam na Argentina, trazidos para o país por traficantes de escravos ainda na época da colonização.

Quanto a religião, 92% da população são Católicos. O restante se divide entre Judeus (2%), Protestantes (2%) e outras (4%). A comunidade judaica Argentina é a quinta maior do mundo, com aproximadamente 200.000 judeus. Só em Buenos Aires existem mais de 50 sinagogas.

O idioma oficial no país é o espanhol, chamado de castellano pelos argentinos. No interior da Argentina são faladas algumas línguas indígenas como o guarani, o araucano ou o quíchua.

A maioria da população, cerca de 64,4% têm idade entre os 15 e os 64 anos, sendo que há um grande equilíbrio no número de homens e mulheres. Aproximadamente 24,9% da população está entre os 0 e os 14 anos, sendo que nessa faixa etária a uma pequena diferença para mais no número de homens. Já na população com 65 anos ou mais, cerca de 10,7%, a pequena diferença é favorável as mulheres. (estimativa em 2007)

O crescimento demográfico estimado para 2007 foi de 0,938%. A taxa de fertilidade é de 2,13 filhos a cada mulher. A taxa de mortalidade infantil é de 14 mortes a cada mil nascimentos. A expectativa de vida média dos argentinos é de 76 anos (homens 72, mulheres 80). A taxa de mortalidade é de 7,55 mortes a cada 1.000 habitantes.

A educação na Argentina tem qualidade, é obrigatória e gratuita para crianças entre 6 e 14 anos. A taxa de analfabetismo é baixa (2,8 %).