Anemia Aplástica

O sangue é um tipo de tecido conjuntivo formado por três tipos diferentes de células: as hemácias (glóbulos vermelhos ou eritrócitos), os leucócitos (glóbulos brancos) e as plaquetas. A diminuição simultânea do número desses elementos do sangue é conhecida com pancitopenia e é a principal característica do distúrbio hematológico conhecido como anemia aplástica, ou aplásica.

A medula óssea é o tecido responsável pela hematopoeiese, processo de produção de células sanguíneas. Nos casos de anemia aplástica, tal função da medula é alterada, afetando a produção normal de sangue. Essa disfunção pode ter origem congênita, identificada no nascimento ou nos primeiros meses de vida do indivíduo, ou origem adquirida, como uso de alguns tipos de medicamentos, doenças autoimunes (distúrbios em que as células de defesa atuam contra as células do próprio organismo), infecções virais e exposição a substâncias químicas tóxicas como o benzeno e defensivos agrícolas convencionais.

Como há uma queda do número de hemácias, leucócitos e plaquetas, os sintomas da anemia aplástica estão diretamente ligados à atividade ineficiente de tais células. Sendo assim, indivíduos acometidos por anemia aplástica apresentam sintomas como fadiga, falta de ar, taquicardia e palidez, que estão relacionados ao baixo número de hemácias; infecções frequentes devido à diminuição dos leucócitos; e hemorragias constantes, epistaxe (sangramento nasal) e equimoses (infiltração de sangue na malha do tecido) ocasionadas pela deficiência plaquetária.

O diagnóstico é feito por meio do hemograma (exame de sangue), que relata números de hemácias, de leucócitos e de plaquetas muito inferiores aos valores de referência. Há a confirmação do diagnóstico pela biópsia da medula óssea, que, nos casos de anemia aplástica, apresentará uma quantidade muito reduzida de células sanguíneas.

O tratamento desse tipo de anemia envolve uma série de processos: inicialmente pode ser feita uma transfusão de sangue, que será ministrada para amenizar os sintomas e não propriamente para curar a doença. Também pode ser feito o uso de medicamentos imunossupressores, que atuarão no controle das respostas imunológicas do organismo (o que o torna imunodeprimido); ou de medicamentos capazes de estimular a produção de novas células pela medula óssea. Por último é realizado o transplante de medula óssea, ou seja, aquela medula que apresenta disfunção será substituída por outra que exercerá normalmente as suas funções. O transplante de medula óssea é o único meio de tratamento eficaz no combate à anemia aplástica, que, embora eficiente, também traz alguns riscos ao indivíduo (rejeição do transplante, por exemplo).

Referências:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Anemia_aplástica
http://www.saudedicas.com.br/doencas/anemia-aplastica-183261
http://www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0708/g7_cloranfenicol/anemiaaplastica.htm

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Doenças, Sangue