Doença de Rosai-Dorfman

A doença de Rosai-Dorfman, também denominada histiocitose sinusal com linfadenopatia maciça, consiste em uma patologia rara e benigna de causa ainda não elucidada, caracterizada por levar à superprodução de histiócitos, que se acumulam nos linfonodos.

Foi primeiramente descrita por Rosai e Dorfman, no ano de 1969, quando os mesmos relataram 4 casos da doença. Todavia, foi somente em 1972 que os mesmos autores caracterizaram melhor esta desordem.

É mais comumente observada em crianças e adultos jovens. Afeta igualmente indivíduos caucasianos e negros, sendo mais incomum em asiáticos.

A etiologia ainda não foi esclarecida. Todavia, existem hipóteses de que esta desordem pode resultar de alterações da resposta imunológica e infecções causadas por certos agentes, como Varicela-zoster, Epstein-Barr, Citomegalovírus, Brucella, Klebisiela, dentre outras.

Tipicamente, esta doença tem início insidioso, fase ativa prolongada e ocasional remissão espontânea, com posterior recorrência. Ainda não se sabe ao certo o que leva ao reaparecimento da doença.

As manifestações clínicas desta afecção incluem:

  • Linfadenopatia cervical indolor;
  • Febre;
  • Leucocitose com neutrofilia;
  • Aumento da velocidade de hemossedimentação;
  • Hipergamaglobulinemia policlonal.

Além disso, também pode haver o comprometimento de linfonodos de outras regiões do corpo, bem como doença extra-gonadal.

É importante realizar o diagnóstico diferencial, por meio de exames clínico e histológico. Este último aponta a presença de um infiltrado linfoplasmático difuso, corpúsculos de Russel, histiócitos espumantes e histiócitos com linfócitos fagocitados em seu citoplasma. Na imunoistoquímica é possível observar positividade para S-100, alfa1antiquimiotripsina e para antígenos CD1a e CD684,5. Exames imagiológicos, como ressonância magnética e tomografia computadorizada, também são úteis para investigar a extensão da desordem.

Não há um consenso com relação ao tratamento. Têm sido testadas diversas formas de terapia, como antibioticoterapia, quimioterapia, radioterapia, uso de esteroides e cirurgia. Contudo, nenhum tratamento tem levado a resultados satisfatórios.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Doen%C3%A7a_de_Rosai-Dorfman
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-72992008000400025&script=sci_arttext
http://www.jornaldepneumologia.com.br/portugues/artigo_detalhes.asp?id=1421

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Doenças