Dracunculíase

A dracunculíase, também chamada de dracunculose, ou ainda, infecção pelo verme da Guiné, trata-se de uma desordem parasitária, que tem como agente etiológico um verme nematoide, o Dracunculus medinensis, que acomete o tecido conjuntivo dos humanos. Os primeiros relatos desta desordem, em textos egípcios, datam o ano de 1550 a.C.

Este nematoide tem como hospedeiro intermediário os copépodes, comumente encontrados em águas paradas.

Há um tempo, esta desordem acometia maciçamente 20 países do continente africano e asiático. Atualmente é endêmica somente em 3 países da África.

Quando ingeridos, estes vermes perfuram o sistema digestivo, liberando larvas. Do intestino, as larvas caem no tecido subcutâneo, onde se desenvolve, podendo alcançar até 1 metro de comprimento e 2 mm de espessura. Quando alcançam esse comprimento, iniciam sua migração para fora do corpo humano, comumente pelas pernas ou pés.

A movimentação das larvas no tecido subcutâneo pode causar sensação de queimação, edema, formação de bolha e, por fim, úlcera. Essas manifestações clínicas podem vir acompanhadas de febre, náuseas e vômitos.

As vítimas costumam colocar os pés na água, como rios e lagos, para aliviar a dor sentida durante a saída das larvas. Isso, consequentemente, causa contaminação desses leitos aquáticos, realimentando, assim, o ciclo da doença.

Não existem medicamentos para combater a doença. Todavia, a dracunculíase pode ser evitada por meio da adoção do tratamento adequado da água para consumo da população.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dracuncul%C3%ADase
http://www.jornalciencia.com/inusitadas/bizarro/2253-dracunculiase-um-dos-vermes-mais-terriveis-do-mundo

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Doenças