Síndrome de Ekbom

A síndrome de Ekbom, também conhecida como delírio de parasitose, trata-se de uma forma de psicose, na qual o indivíduo acredita piamente que seu organismo esta infestado de parasitas, quando, na realidade, não há parasita nenhum.

É mais comum em indivíduos do sexo feminino, de idade mais avançada (acima de 40 anos) e que não interagem com a sociedade.

No ano de 1894, Thibierge descreveu um quadro de delírio de infestação parasitária, denominando-o acarofobia. Posteriormente, em 1937 a 1938, o neurologista austríaco Karl Axel Ekbom descreveu sete mulheres idosas que possuíam convicção de estarem parasitas por vermes, caracterizando o quadro da síndrome em questão, que foi então nomeada em homenagem ao neurologista austríaco. Este termo também é utilizado como sinônimo da síndrome das pernas inquietas, ou síndrome de Ekbom-Wittmaack.

A ideia delirante e persistente de estarem sendo parasitas por vermes levam os pacientes a se automutilarem, coçando, cortando e lesionando a pele, com o intuito de eliminar os parasitas. Essas lesões recebem o nome de dermatiti artefacta. Existem autores que consideram esta desordem como sendo o medo que algumas pessoas desenvolvem de que o corpo seja infestado por insetos, enquadrando esta síndrome como psicose hipocondríaca monossintomática.

As manifestações clínicas envolvidas nesta síndrome podem variar de sintomas psicóticos e delírios a sintomas fóbicos e obsessivos. Também pode ser observada neurite periférica, diabetes mellitus e demência. Além disso, é comum que os pacientes guardem em caixas debris, tecidos descamativos, cabelos, crostas, poeira, folhas, partes de insetos, dentre outros detritos que se aderem às lesões, levando-os ao médico na tentativa de provar que estão sendo parasitados, fato conhecido como o “sinal da caixa de fósforo”.

A capacidade de descrever os parasitas com detalhes e até desenhá-los é outro componente da síndrome. Quando esses pacientes não se isolam socialmente são capazes de induzir o transtorno psicótico em outra pessoa (folie à deux), o que corresponde de 5 a 25% dos casos. Pesquisas apontam que as mulheres induzem mais do que os homens.

O tratamento pode ser feito por meio do uso de fármacos antipsicóticos, associação de antidepressivos e antipsicóticos, e antidepressivos. Além disso, é importante que o paciente passe a interagir socialmente.

Fontes:
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-81082007000100017&script=sci_arttext
http://www.abpbrasil.org.br/medicos/publicacoes/revista/arquivos/01Artigo%20Original%20-%204%20Ekbom.pdf

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Psicologia, Síndromes