Urticária

Por Débora Carvalho Meldau
Urticária é o nome dado a um tipo de erupção cutânea, pruriginosa, caracterizada por placas elevadas, semelhantes às produzidas pela urtiga.

Seu aparecimento geralmente se dá por contato direto com uma substância alérgica, ou pela resposta imunológica a um alimento ou outro alérgeno, como fármacos, inalantes, verminoses, entre outros. Esses fatores desencadeantes ativam os mastócitos, células especiais presentes em nossa pele, que liberam substâncias químicas responsáveis pelos sintomas, sendo que a principal dessas substâncias é a histamina.

Existem dois tipos distintos de urticária:

  • Urticária aguda: menos de 30 dias de evolução das lesões, surgindo, normalmente, minutos após o contato com o alérgeno. Reações alérgicas a algum alimento se encaixam nessa categoria. Alimentos que comumente causam esse tipo de reação são nozes, mariscos, ovos e peixes.
  • Urticária crônica: a evolução dessa leva mais de 4 a 6 semanas. Visualmente não existe diferença entre a urticária aguda e a crônica. Alguns dos casos crônicos mais severos persistem por mais de 20 anos.

O quadro clínico geralmente é mais intenso na urticária aguda. As lesões vão desde pequenos pontos avermelhados a placas maiores, avermelhadas e inchadas (edemaciadas), que podem se juntar comprometendo áreas enormes. A duração tende a ser curta, sumindo e surgindo em outros locais. Apresentam forte prurido (coceira).

Há  um tipo de urticária, o edema de Quincke, que se manifesta sob uma forma mais intensa e tem como principal característica o inchaço. Este, freqüentemente, acomete a face, tornando essa forma muito perigosa, pois esse edema pode atingir a laringe, obstruindo-a.

Na urticária crônica, o quadro é menos intenso e as lesões tendem a ser menores, podendo estar presente continuamente ou somem por um período reaparecendo posteriormente.

O diagnóstico é feito pelo histórico e quadro clínico apresentados pelo paciente. Algumas vezes são necessários exames de sangue e urina para auxiliar na detecção de alguma doença associada ou desencadeante.

O tratamento dessa doença visa combater os sintomas provocados pela ação da histamina, sendo, portanto, os anti-histamínicos os medicamentos recomendados. Podem ser usados produtos administrados localmente, como loções calmantes com mentol e cânfora, que ajudam a aliviar o prurido. No caso do edema de Quincke, deve ser iniciado um tratamento de urgência, podendo ser feito o uso de corticosteróides de ação rápida, além de anti-histamínicos para amenizar o edema de laringe. Na urticária crônica, além da medicação sintomática, necessita-se desvendar a causa da urticária.

Fontes:
http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?443
http://www.copacabanarunners.net/urticaria.html
http://www.dermatologia.net/novo/base/doencas/urticaria.shtml
http://pt.wikipedia.org/wiki/Urtic%C3%A1ria
http://www.pulsetoday.co.uk/story.asp?storycode=4116369

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.