Vitiligo

Por Thais Pacievitch
Vitiligo ou hipopigmentação é uma doença não contagiosa caracterizada pela falta de pigmentação, que deveria ser normalmente produzida pelos melanócitos (células responsáveis pela produção de melanina – substância que produz a cor da pele) em algumas regiões do corpo, normalmente extremidades dos membros superiores e inferiores (pés e mãos), genitais, rosto, cotovelos e joelhos. Trata-se de um distúrbio que tinge 1% da população e, em 30% dos casos a transmissão é genética. Em alguns casos pode ocorrer despigmentação do cabelo.

Ainda não se sabe por que a doença acontece, mas há três teorias possíveis, são elas: a teoria neural que sustenta ser um mediador neural o responsável pela distribuição dos melanócitos ou, de alguma forma, este mediador impediria a fabricação de melanina. A teoria citotóxica defende a idéia de que os melanócitos entram em contato com substâncias tóxicas e, assim, produzem o vitiligo. A teoria imunológica diz que o próprio organismo ataca os melanócitos com a produção de anticorpos antimelanócitos.

Geralmente o diagnóstico é feito através da observação das manchas na pele e da solicitação de exames laboriatoriais específicos para determinar se as lesões são mesmo de vitiligo ou se as manchas brancas estão associadas a outras doenças, visto que micoses podem causar, em alguns casos, manchas semelhantes às causadas pelo vitiligo.

Não há forma de prevenir o vitiligo, mas existem formas de tratá-lo, embora dificilmente ocorra a total cura das manchas. Quando a despigmentação está presente em mais de 50% do corpo (vitiligo universal) o tratamento pode ser a total despigmentação da pele. A utilização de um filtro solar adequado é fundamental, visto que as lesões queimam facilmente e os limites da mancha sofrem grande pigmentação, isto aumenta o contraste entre a pele normal e as manchas de vitiligo. Existe também uma outra forma de tratamento chamada de fotoquimioterapia. Na fotoquimioterapia é feita a aplicação (sobre a pele com vitiligo) de substâncias que tornam a pele mais sensível à luz (como o psoraleno, por exemplo) para posterior exposição à radiação ultravioleta. Em quadros onde a despigmentação está estável podem ser feitos pequenos enxertos com razoáveis resultados estéticos. A ingestão de alimentos ricos em caroteno (cenoura e mamão, por exemplo) também contribui para não deixar as manchas tão brancas, visto que o caroteno tem cor alaranjada.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.