Caroteno

Carotenos são pigmentos orgânicos pertencentes ao grupo dos carotenoides responsáveis pelas cores amarela, vermelha, verde e alaranjada de vegetais, algas, fungos, da gema do ovo e da manteiga. Trata-se de substâncias essenciais para a manutenção da vida e impossível de serem sintetizadas por organismos vivos, sendo necessário, então, adquiri-lo através da alimentação.

Os carotenos apresentam em sua estrutura química 40 átomos de carbono e um bom número de ligações duplas conjugadas, característica que permite a absorção de luz, dando cor aos seres e compostos já citados. Essa coloração se deve ao comprimento de onda captado, sendo assim, quanto maior o número de ligações duplas, mais largas são as ondas captadas. Quando há apenas três ligações, a substância capta somente a luz ultravioleta (invisível aos olhos humanos). O licopeno, responsável pela cor vermelha do tomate tem 11 ligações e é capaz de absorver do ultravioleta ao vermelho. Os carotenos de cor amarela são denominados betacaroteno, os de cor verde, zetacarotenos e os de cor alaranjada, neurosporaxantina.

O número de carotenos encontrados na natureza é de, aproximadamente, 600, sendo o betacaroteno um dos mais importantes. O betacaroteno apresenta uma estrutura formada por dois anéis hexagonais (não aromáticos) ligados através de uma longa cadeia, insolúvel em água e lipossolúveis (solúveis em gordura), são muito importantes para os seres vivos pelo fato de serem os precursores da vitamina A, ou seja, uma molécula de betacaroteno, no organismo, é quebrada dando origem a duas moléculas de vitamina A, essencial para a saúde dos olhos, dos cabelos, crescimento e desenvolvimento corporal, e de ação antioxidante (combate os radicais livres provenientes das reações bioquímicas da respiração celular que aceleram o envelhecimento de tecidos).

O betacaroteno é encontrado em legumes e frutas amarelo-alaranjadas como, por exemplo, cenoura, abóbora, melão, mamão, manga, pêssego, laranja, milho; vegetais folhosos verdes escuros como a couve, espinafre, chicória, brócolis, mostarda, agrião, folhas do nabo. A deficiência de vitamina A pode causar cegueira noturna (distúrbio denominado xeroftalmia), lesões na pele, diminuição do olfato e do paladar, aumento do atrito entre as pálpebras dos olhos, além da redução da capacidade de defesa do organismo.

Alguns tipos de carotenos como o licopeno não são convertidos em vitamina A pelo organismo, porém desempenham um papel antioxidante mais enérgico que o próprio betacaroteno. O licopeno é encontrado em vegetais de cor vermelha como o tomate, o mamão e a melancia.

Pesquisas científicas comprovam que pessoas que ingerem boas quantidades de alimentos ricos em caroteno têm menor probabilidade de desenvolver câncer e doenças cardíacas. Não existe nenhum caso na Medicina, até hoje, de doença provocada por deficiência de carotenoides (não confunda deficiência de carotenoides com deficiência de vitamina A).

Referências
http://pt.wikipedia.org/wiki/Caroteno
http://saude.hsw.uol.com.br/vitamina-a6.htm
http://www.biologados.com.br/botanica/fisiologia_vegetal/fotossintese_carotenoides.htm
http://bg.bebegold.com.pt/na_dynamic_paged30a.asp?menu_id=271&menu_item_id=4
http://umaquimicairresistivel.blogspot.com/2011/03/os-carotenoides-estao-por-todo-o-lado.html
Ilustração: http://www.nyu.edu/pages/mathmol/library/photo/

Arquivado em: Bioquímica