Vitamina A

Graduada em Ciências Biológicas (Unifesp, 2013)

A vitamina A é um micronutriente essencial, pertencente ao grupo de vitaminas lipossolúveis. Os compostos que formam a vitamina A (ou vitâmeros) são o retinol, o ácido retinoico, retinal e os carotenoides, sendo este últimos considerados provitaminas. Todos estes compostos possuem em sua estrutura um anel acetônico de beta-ionona por onde se liga uma cadeia de isoprenoides, chamado grupo retinil.

Molécula de vitamina A.

Geralmente a vitamina A é consumida na forma de palmitato de retinila. Chegando no intestino estes ésteres sofrem ação dos lipídios (bile e suco pancreático) e então hidrolisados, o retinol é gerado. Ele é então absorvido pelas células do intestino e armazenado. Lá, sofrem outras modificações que permitem que se liguem à quilomícrons e sejam transportados pela corrente sanguínea até o fígado, onde são armazenados. As reservas de vitamina A no fígado sofrem hidrólise, quando é necessário que a vitamina A volte para a corrente sanguínea e chegue até determinada região do corpo.

Funções no organismo

A vitamina A desempenha múltiplas funções no organismo: estão relacionadas com crescimento, amadurecimento e desenvolvimento do sistema imune e também da visão. Na retina existem proteínas chamadas opsoninas que na presença do retinol, se ligam formando rodopsinas. As rodopsinas são moléculas fotossensíveis e, portanto, respondem à presença de luz, desencadeando o processo da formação da visão nas células da retina. A outra forma de vitamina A, o ácido retinoico, é extremamente importante fator de crescimento para células epiteliais, desempenhado funções semelhante a hormônios. Além disso outras funções como desenvolvimento embrionário, hematopoiese, metabolismo de ossos e pele e membrana de mucosas, são também descritas como tendo envolvimento da vitamina A.

Certos carotenoides podem ser convertidos em vitamina A (provitaminas), no entanto, diferentemente do que se pensava, a eficiência dessa conversão é baixa, então a quantidade de vitamina A obtida de frutas e vegetais que contém carotenoides é baixa. É importante o conhecimento dos valores indicados para consumo de cada vitamina. No caso da vitamina A, a quantidade ideal é de 700 μg/dia para mulheres e 900 μg/dia para homens.

Fontes de vitamina A

As fontes de vitamina são diversas, desde alimento de origem animal como ovo, fígado (boi, porco, peixe ou peru), queijos, óleo de fígado de bacalhau, passando por legumes e vegetais, como brócolis, cenoura, abóbora, espinafre, dente de leão, ervilha, batata doce e também frutas, como tomate, manga e mamão.

Hipovitaminose A

Assim como todas as vitaminas é possível que a quantidade de vitamina A esteja abaixo da ideal, essa condição é chamada de hipovitaminose A. Os casos de hipovitaminose podem levar a diversas doenças como por exemplo a cegueira e a xeroftalmia, que são diferentes manifestações de sintomas oculares. A xeroftalmia é uma importante causa se morte nos países em desenvolvimento. Além dos problemas oculares, uma vez que a vitamina A está envolvida em diversas funções biológicas, a hipovitaminose A também pode levara problemas infecciosos constantes, uma vez que as células imunes ficam menos ativas e também ter outras funções como o metabolismo dos ossos e da pele prejudicados, fazendo que estes tecidos não estejam completamente saudáveis.

Referências:

"Vitamin A". Micronutrient Information Center, Linus Pauling Institute, Oregon State University, Corvallis. January 2015.

Tanumihardjo SA (2011). "Vitamin A: biomarkers of nutrition for development". The American Journal of Clinical Nutrition. 94 (2): 658S–665S. doi:10.3945/ajcn.110.005777. PMC 3142734 Freely accessible. PMID 21715511

Dietary Reference Intakes: Vitamins. The National Academies, 2001.

<http://www.merckmanuals.com/home/disorders-of-nutrition/vitamins/overview-of-vitamins > acessado em 05/11/2017

Pemberton, J. (2006). "Medical experiments carried out in Sheffield on conscientious objectors to military service during the 1939–45 war". International Journal of Epidemiology. 35 (3): 556–8. doi:10.1093/ije/dyl020. PMID 16510534

Price, Catherine (2015). Vitamania: Our obsessive quest for nutritional perfection. Penguin Press. ISBN 978-1594205040.

Boy, E.; Mannar, V.; Pandav, C.; de Benoist, B.; Viteri, F.; Fontaine, O.; Hotz, C. (2009). "Achievements, challenges, and promising new approaches in vitamin and mineral deficiency control". Nutr Rev. 67 (Suppl 1): S24–30. doi:10.1111/j.1753-4887.2009.00155.x. PMID 19453674

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Bioquímica, Nutrição