Ginástica Laboral

Por Ana Paula de Araújo
O trabalho contínuo em uma mesma atividade pode causar alguns problemas à  saúde de qualquer trabalhador. Todas as atividades tem suas particularidades, e cada uma precisa e merece seus cuidados. O que acontece atualmente, principalmente devido à exigência do mercado de trabalho por produtividade, é que os trabalhadores empenham-se em serem bons profissionais e se esquecem de cuidar da saúde física e mental.

A ginástica laboral tem o objetivo de manter a saúde dos funcionários de determinado local de trabalho através de exercícios físicos direcionados para aquela atividade profissional e feitos durante o expediente. Esta atividade deve ser acompanhada e orientada por um profissional da saúde física (um educador físico), para que obtenham-se os resultados esperados.

Além de diminuir a carga de estresse por interromper o trabalho, a ginástica laboral ainda evita o sedentarismo. Esta prática pode pode melhorar muito o desempenho de um funcionário, além de evitar lesões por esforço repetitivo (LER) e outras doenças provocadas pelo trabalho contínuo e a falta de exercícios físicos. Por conta destes benefícios, ela ajuda a diminuir o afastamento dos funcionários da empresa.

A ginástica é composta por exercícios físicos, alongamentos, relaxamento muscular e flexibilidade das articulações, e é uma prática coletiva, promovendo a descontração e interação entre os colegas de trabalho. Além disso, ela age psicologicamente, ajudando a aumentar o poder de concentração e motivando-os em sua auto-estima.

Não precisamos ser experts para saber que, agindo dessa maneira sobre os empregados, a ginástica influenciará também no faturamento da empresa, pois esta terá uma produtividade muito maior.

Mas, de onde surgiu a ginástica laboral?

A princípio denominada “ginástica de pausa para operários”, surgiu em 1925, na Polônia. Depois foi sendo aderida também em outros locais como a Holanda, a Rússia, a Bulgária, a Alemanha, etc. Em 1928 chegou ao Japão, sendo aplicada nos trabalhadores do correio, e após a Segunda Guerra Mundial, espalhou-se por todo o país.

Como resultados, observou-se a diminuição dos acidentes de trabalho, o aumento da produtividade e a melhoria das condições dos trabalhadores. Hoje, mais de 1/3 dos trabalhadores japoneses a praticam diariamente.

Atualmente, menos pessoas são “consumidas” pelo trabalho do que no século XIX, mas em compensação a automação, a informatização e o avanço tecnológico fizeram com que muitos trabalhadores sejam “operadores de máquinas”, ao mesmo tempo que afastou os trabalhadores uns dos outros, tornando o trabalho exaustivo e exigente. Mais do que nunca as pessoas trabalham sozinhas, sendo pressionadas por metas e tarefas a cumprir.

Devido a todas essas particularidades decorrentes da globalização, os trabalhadores hoje necessitam mais que nunca de uma atividade física, e se ela acontece no meio de seu expediente, no ambiente de trabalho, e ainda promove interação, descontração e relaxamento de corpo e mente, torna-se ainda mais indispensável.

Principais Benefícios

  • Promove o combate e prevenção das doenças profissionais;
  • Promove o combate e prevenção do sedentarismo, estresse, depressão, ansiedade, etc;
  • Melhora da flexibilidade, força, coordenação, ritmo, agilidade e a resistência, promovendo uma maior mobilidade e melhor postura;
  • Promove a sensação de disposição e bem estar para a jornada de trabalho;
  • Reduz a sensação de fadiga no final da jornada;
  • Melhora da auto-estima e da auto-imagem;
  • Combate as tensões emocionais;
  • Melhora da atenção e concentração as atividades desempenhadas;
  • Favorece o relacionamento social e trabalho em equipe;
  • Melhoria das relações interpessoais;
  • Reduz os gastos com afastamento e substituição de pessoal;
  • Diminui afastamentos médicos, acidente e lesões;
  • Melhora da imagem da instituição junto aos empregados e a sociedade;

Fontes:
http://www.copacabanarunners.net/ginastica-laboral.html
http://www.cdof.com.br/gl5.htm
http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_frame.asp?cod_noticia=815
http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_frame.asp?cod_noticia=849