Frequência cardíaca

Graduação em Educação Física (Unesp, 1999)
Mestre em Ciências da Motricidade (Unesp, 2002)
Doutorado em Integração da América Latina (USP, 2013)

Publicado em 08/08/2022
Ouça este artigo:

Certamente você já ouviu falar em frequência cardíaca. Mas você sabe exatamente o que isso significa? Ora, frequência cardíaca é o mesmo que a quantidade de batimentos cardíacos por minuto, e pode ser descrita em termos absolutos, contando as batidas por minuto, como também em porcentagem da frequência cardíaca máxima individual. Em adultos, essa variação em repouso pode ocorrer entre 50 e 100 batimentos por minutos.

Para medir os batimentos cardíacos, deve-se colocar dois dedos (indicador e médio) na região do pescoço, abaixo do maxilar e contar quinze segundos. Logo em seguida, deve-se multiplicar por quatro (para resultar em sessenta segundos), então você terá sua frequência cardíaca.

Segue a quantidade de batimentos cardíacos médios, em cada faixa etária:

  • Crianças de 0 a 2 anos: entre 120 e 140 batimentos por minuto;
  • Entre 8 a 17 anos: entre 80 a 100 batimentos por minuto;
  • Adultos sedentários ou inativos: de 70 a 80 batimentos por minuto;
  • Adultos praticantes de atividades físicas: entre 50 e 60 batimentos por minuto;
  • Idosos: de 50 a 60 batimentos por minuto.

Existem alguns fatores capazes de elevar a frequência cardíaca, como doenças cardíacas, excesso de consumo de álcool, excesso de consumo de cafeína, quadro de hipertensão, execução de atividade física moderada ou intensa, quadro de ansiedade, febre, entre outros.

Para calcular, grosso modo, a frequência máxima que seu corpo pode atingir durante a prática de um exercício físico, deve-se fazer 220 menos a sua idade. Diz-se grosso modo porque se trata de uma fórmula básica e que o valor final pode sofrer variação, especificamente entre pessoas bem condicionadas (praticantes regulares de exercício físico) ou entre idosos.

Entretanto, no que se refere à frequência cardíaca ideal para treinamento de exercícios físicos, os batimentos devem estar entre 50% e 85% de sua frequência cardíaca máxima. Isso significa que, conforme a idade avança, a frequência cardíaca ideal para treinamentos diminui. Exemplos são: em pessoas com idade de 20 anos, a frequência cardíaca ideal para treino fica entre 100 e 170 batimentos por minuto; em pessoas com 30 anos, essa frequência deve estar entre 95 e 162 batimentos por minuto; aos 40 anos, a frequência ideal seria entre 90 e 153 batimentos por minutos; aos 50 anos, estaria entre 85 e 145 por minuto; aos 60 anos, estaria entre 80 e 136 batimentos por minuto; e, finalmente, aos 70 anos, a frequência cardíaca ideal deveria estar entre 75 e 128 batimentos por minuto. Estudo de Alonso et.al. (1998) mostrou que o exercício físico provoca modificações no sistema nervoso parassimpático e no nervoso simpático, que controlam a frequência cardíaca. Isso significa que há relação direta entre a prática de exercício físico e a frequência cardíaca.

Caso a sua frequência cardíaca esteja alta, há meios para tentar abaixá-la, como é possível de se ver a seguir: a pessoa deve inspirar lentamente pelo nariz e expirar também lentamente pela boca, durante algumas vezes. Isso deve ajudar a pessoa a se acalmar. É sempre bom lembrar que, caso a frequência cardíaca esteja muito alta e não abaixar, deve-se procurar um médico.

Outro fator importante é o inverso: o que fazer caso a frequência cardíaca esteja muito baixa? Deve-se levar em conta se a pessoa é idosa, ou se ela é praticante regular de exercício físico, ou ainda se pode ser efeito colateral de algum medicamento que ela esteja tomando. De qualquer modo, mais uma vez, é fundamental procurar um cardiologista para avaliar a situação seja em qualquer uma das possibilidades.

Assim, nesse texto foi visto: o conceito de frequência cardíaca, quais são as frequências cardíacas médias da população por faixa etária, o que é frequência cardíaca máxima, qual é a frequência cardíaca ideal para treinamento e como observar se a frequência cardíaca está baixa.

Referência:

ALONSO, D.O. et.al. Comportamento da frequência cardíaca e da sua variabilidade durante as diferentes faces do exercício físico progressivo máximo. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 71, n.6, 1998. Disponível em https://www.scielo.br/j/abc/a/TTP7g4QMNfcFstMPKwnc5yg/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 03/03/2022.