Coordenador pedagógico

A figura do Coordenador Pedagógico nas escolas é relativamente recente e teve origem na função de supervisão educacional. Instituída durante o regime militar em 1971, a supervisão educacional tinha como objetivo controlar o ensino, as práticas pedagógicas e fiscalizar o trabalho dos professores em sala de aula. No entanto, com o processo de redemocratização do país nos anos 1980 e o debate em torno da democratização do ensino, essa forma de atuação passou a ser contestada e os papéis a serem desempenhados pelo coordenador pedagógico tornam-se alvo de discussões e redefinições.

Na década de 1990, especialmente a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9394/1996), a coordenação pedagógica passou por um processo de redefinição e teve sua função na escola repensada, deixando de lado o aspecto fiscalizador e controlador para assumir a corresponsabilidade pela sala de aula, tanto no que diz respeito ao trabalho realizado pelo professor como no que diz respeito aos resultados alcançados pelos alunos.

A coordenação pedagógica torna-se então essencial à gestão pedagógica da escola, uma vez que o coordenador assume a função de articulador da Proposta Pedagógica da escola e do currículo da rede na qual está inserido, assim como a responsabilidade pela formação continuada dos professores, sem perder de vista que a sala de aula e, portanto, a aprendizagem dos alunos deve se constituir como o referencial para as ações que irá desenvolver no seu exercício profissional.

Diante dessa função estruturante no desenvolvimento da prática pedagógica é necessário que o coordenador priorize atividades através de uma rotina, elabore um projeto de formação continuada direcionado ao corpo docente e estruture um plano de ação a partir das definições da proposta pedagógica e com base nas necessidades da escola.

O desenvolvimento de uma rotina resulta da necessidade de se prever espaços e tempo para cada ação do Professor Coordenador no cotidiano da escola: estudo, planejamento, reuniões de formação, acompanhamento do trabalho dos professores e das classes.

Ao atuar como gestor pedagógico, com competência para planejar, acompanhar e avaliar os processos de ensinar e aprender, o coordenador deve orientar o trabalho dos demais docentes, oferecendo condições para que o professor aprofunde sua área específica e transforme seu conhecimento em ensino. Desta maneira, deve rever periodicamente seu plano de formação e dedicar tempo para a elaboração de pautas para reuniões de formação continuada centradas tanto nas necessidades de ensino dos professores como nas necessidades de aprendizagem dos alunos, uma vez que cada reunião deve ser articulada ao contexto de trabalho e ter como referencial a reflexão sobre as práticas de sala de aula e a aprendizagem dos alunos, buscando construir coletivamente respostas para as dificuldades enfrentadas pelo grupo docente.

Entretanto, o cotidiano atribulado verificado em muitas escolas resulta na falta de foco observada no trabalho de vários desses profissionais. Se o tempo não é bem organizado e as funções não estão bem definidas no ambiente escolar, o profissional corre o risco de ser engolido pelo dia a dia, respondendo por casos de indisciplina ou dedicando a maior parte do seu tempo ao atendimento de pais de alunos. Ou seja, somente quando o coordenador tem clareza de quais são suas reais funções é que ele consegue se reconhecer na função de articulador do trabalho pedagógico, organizando seu tempo de acordo com suas obrigações.

BIBLIOGRAFIA:

MEDONÇA, Maria Helena (org.). Coordenação Pedagógica em foco. Série: Salto para o Futuro. TV Escola. Ano XXII, Boletim 1, Abril de 2012. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/89542760/Coordenacao-Pedagogica-Em-Foco

BARROS, Séfora e EUGÊNIO, Benedito G. O Coordenador Pedagógico na Escola: Formação, Trabalho, Dilemas. Educação, Gestão e Sociedade: Revista da Faculdade Eça de Queirós. Ano 4, número 16, novembro de 2014. Disponível em: http://www.faceq.edu.br/regs/downloads/numero16/2-o-coordenador-pedagogico.pdf
VENAS, Ronaldo Figueiredo. A Transformação da Coordenação Pedagógica ao longo das décadas de 1980 e 1990. VI Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”. Aracajú/SE. Setembro, 2012. Disponível em: http://educonse.com.br/2012/eixo_17/PDF/47.pdf

Arquivado em: Pedagogia