Giordano Bruno

A Idade Média foi marcada pela inclemente perseguição da Igreja Católica aos que pensavam e agiam diferente dos dogmas cristãos. Não havia liberdade para criticar, duvidar ou contestar os assuntos referentes ao catolicismo. Sem o livre arbítrio, muitas pessoas críticas aos postulados impostos pela igreja, foram consideradas hereges, rotuladas de praticar bruxaria. Passavam assim pelo Tribunal da Santa Inquisição e morriam condenadas às fogueiras, em praça pública.

Dentre estas pessoas encontra-se Fillipo Bruno, considerado um dos pioneiros da Ciência Moderna. Nasceu na Itália, em 1548 e foi queimado vivo em 17 de fevereiro de 1600. Foi filósofo, teólogo, matemático, e astrônomo. Entrou na Ordem dos Dominicanos, aos 15 anos, em 1566 quando então passou a ser chamado Giordano Bruno. Ali estudou filosofia aristotélica e a teologia de São Tomás de Aquino. Não aceitava imagens de santos, apenas o crucifixo e foi expulso da ordem por desviar-se da doutrina religiosa. Desde então passou a peregrinar pelo mundo ensinando filosofia e a arte da memória. Lutou pela união entre cristãos protestantes e católicos enfatizando a tolerância religiosa. Em contato com a doutrina protestante de Calvino, acusa o calvinismo de ser contrário a liberdade intelectual. Foi professor na Universidade de Paris, em 1581. Em suas obras escritas constam ‘As ideias humanas’; ‘Cantos Circenses e ‘Heróicos furores’.

Para ele Deus transcendia a tudo e a todos, devendo ser buscado pela fé fervorosa, mais do que pela inteligência. Defendeu também o Panteísmo ao considerar que Deus estava em tudo o que havia na natureza. Em suas elaborações filosóficas duvidava dos preceitos católicos da Santíssima Trindade e questionava a existência de um Deus único e exterior ao homem, reprovando a violência por parte da religião, tanto que se recusou tenaz e obstinadamente a retratar-se diante da suprema corte, o que resultou em sua condenação. Defendia ainda que o universo era infinito, preceito contrário ao da igreja, que preconizava o geocentrismo, considerando a terra o centro do universo. Assim admitiu a teoria copernicana, relatando ser a terra mais um planeta entre uma infinidade de planetas e estrelas.

Afirmava que os sentidos não podem apreender o que somente o intelecto pode conceber. O que não se pode ver, Bruno remete a outros olhos, os de um ‘ver intelectual’. Ele coloca sob dúvidas e vê com cuidado aquilo que se testemunha pelos sentidos. Afirma que o infinito não pode ser objeto dos sentidos e embora não sendo visível ou sensível não poderia ser negado. Bruno dimensiona, aí, o infinito. Quem o negasse por não perpassar pelos sentidos viria a negar a própria substância e o ser. Ao intelecto compete julgar e dar a "razão das coisas afastadas no tempo e no espaço", afirmava Bruno. Após sua morte seus contemporâneos silenciaram completamente, chegando ao extremo de remover o nome de Frei Giordano dos registros da Ordem de São Domingos e das universidades e academias em que tinha ensinado. Suas ideias extravagantes para a época influenciaram o Iluminismo, movimento europeu que lutou pela liberdade, principalmente religiosa. Assim operou uma verdadeira revolução desconstruindo a imagem tradicional do mundo e da realidade física, desconsiderando o cosmos medieval que daria lugar a uma "ciência nova". Bruno, mostrando sua irreverência, assim se expressou “só os espíritos mais fracos é que pensam com a multidão por ser ela multidão. A verdade não é modificada pelas opiniões do vulgo, nem pela confirmação da maioria. Suas ideias foram retomadas no século XX e sua contribuição metafísica e epistemológica marcantes. Segundo historiadores, ao ouvir sua sentença de morte, Giordano Bruno disse a seus algozes: "Vocês pronunciam esta sentença contra mim com um medo maior do que eu sinto ao recebê-la".

Referências bibliográficas:

BARROCAS, R.L.L. Giordano Bruno na perspectiva de uma reabilitação. Disponível em <http://www.repositorio.ufc.br/ri/bitstream/riufc/11252/1/2002_art_rllbarrocas.pdf>.

MEIRELLES, Luiz. Giordano Bruno: questões sobre o homem, o mundo e o universo. Disponível em <http://www.paradigmas.com.br/index.php/revista/edicoes-01-a-10/edicao-10/200-giordano-bruno-questoes-sobre-o-homem-o-mundo-e-o-universo>.

Gutemberg. Disponível em < http://blogdogutemberg.blogspot.com.br/2008/03/giordano-bruno-e-seus-furores-3.html>.

Bruno Giordano - Los Heroicos Furores Pdf (60587) Disponível em <http://ebiblioteca.org/?/ver/60587>.