Geografia da religião

Geografia da religião é o nome dado a um ramo da Geografia humana que procura aplicar o tema da religião associado ao da geografia, buscando uma melhor compreensão da dinâmica do fenômeno da fé, aferindo a pluralidade religiosa da espécie humana. Seu estudo procura quantificar o espaço das diferentes denominações, abordando teoricamente o papel do sagrado e do profano na organização espacial do terreno.

Já em períodos mais distantes, no estudo da geografia hoje conhecida como clássica, havia uma preocupação com a distribuição das diversas crenças combinadas com a sua respectiva frequencia territorial, onde a religião se apresentava exclusivamente como produto da prática humana, e suas expressões faziam parte da cultura de cada um desses povos. Fora tal conceito básico, que ainda trazia o problema do etnocentrismo (o vício de se considerar a própria religião ou cultura como medida de todas as outras, "alienígenas"), a Geografia da religião ficava eclipsada por outras áreas da Geografia, como a urbana, a rural, política, etc.

Os primeiros estudos realizados nos Estados Unidos e Alemanha no início do século XX levavam em consideração o fenômeno religioso, sua distribuição e morfologia na paisagem cultural.

A partir do fim da Segunda Guerra, porém, testemunha-se o aumento de interesse dos geógrafos pela análise das religiões no espaço social, tangenciando a Geografia tradicional bem como de suas correntes derivadas.

Destacaram-se como pioneiros no incremento da matéria Pierre Deffontaines, com sua obra "Géographie et religions", de 1948, que tratava da relação entre cultura e religião aplicada a uma dinâmica espacial particular, e Maximilien Sorre, que na década de 70, com seus artigos analisou as atividades religiosas e seus efeitos no espaço social, sobretudo no meio rural. Seguiram-se a estes dois os trabalhos de Claude Raffestin, que considerava as variáveis políticas a influenciar a combinação religião/política, e Paul Claval, autor de considerações sobre a combinação geografia e religião, além da contribuição mais recente de M. Buttner, geógrafo, tecedor de considerações acerca da conveniência do estudo religioso e sua relação geográfica.

No Brasil, temos o primeiro estudo relevante na área em 1972, de autoria de Maria Cecília França, uma tese de doutorado para a USP de São Paulo. Combinando a vertente religiosa com a Geografia de cunho Marxista, destaca-se a contribuição de Gualberto Gouveia, onde é analisada geograficamente a atuação do pentecostalismo na região metropolitana de São Paulo, em particular na área da Freguesia do Ó. Digna de destaque também é a obra de Zeny Rosendahl "Espaço e Religião: Uma Abordagem Geográfica", de 1996.

Bibliografia:
http://www.geografia.fflch.usp.br/publicacoes/geousp/Geousp11/Geousp11_Santos.HTM - Página Departamento Geografia USP - Santos, Alberto Pereira dos. Introdução à Geografia das Religiões - publicado originalmente em - GEOUSP _ Espaço e Tempo, São Paulo, Nº 11, 2002

http://www.geografia.ufpr.br/neer/NEER-1/mesas/sylvio-gil.pdf - Página Núcleo de Estudos em Espaços e Representações - Filho, Silvio Fausto Gil. Geografia da Religião: Reconstruções Teóricas sob o Idealismo Crítico.

Arquivado em: Geografia, Religião