República das Bananas

Por Emerson Santiago
República das Bananas é um termo pejorativo que faz referência a um Estado, geralmente latino-americano, politicamente instável, dependente de uma economia primária, comandado por um governo rico, corrupto, elitista e oligárquico. Enfim, é um termo que vem sendo utilizado desde o início do século XX para caracterizar países em situações caóticas em matéria econômica ou social. Em um primeiro momento, foram apontadas como "Repúblicas das Bananas" Guatemala e Honduras, pois a origem da expressão descrevia com perfeição a realidade daqueles dois países no fim do século XIX e início do XX. Posteriormente, o nome foi sendo aplicado a todo país á beira do caos político ou econômico e com governos inoperantes e despóticos.

A expressão foi concebida para ser utilizada em uma obra literária de autoria do escritor norte-americano O. Henry (cognome de William Sydney Porter - 11 de setembro de 1862 – 5 de junho de 1910) entitulada "Cabbages and Kings" (Reis e Repolhos). Nesta novela, O. Henry utilizava a expressão "República das Bananas" como uma crítica à fictícia República da Anchúria, que nas palavras do autor era uma "ditadura servil", que explorava por meio da opressão e da violência a sua população e respectiva mão-de-obra, fazendo de seu país um enorme latifúndio, com especial atenção à produção da banana. Procurado por fraude bancária pela justiça dos EUA, o autor passou um tempo refugiado em Honduras, onde presenciou as condições difíceis da população local, o que o inspirou sem dúvida nenhuma a compor sua história, bem como o termo que se tornou parte do vocabulário da imprensa mundial a partir de então.

A história da banana como produto principal de exportação na América Central é talvez o melhor exemplo de exploração e degradação que a economia baseada no latifúndio pode trazer. As primeiras bananas foram exportadas aos Estados Unidos por volta de 1870, e logo tornaram-se produtos de consumo apreciado pelo público norte-americano em geral, assim como acontecera com o café brasileiro quase na mesma época, que se tornou um produto de sobremesa popular entre a sociedade da nascente potência. Percebendo o potencial econômico do produto, grandes companias estadunidenses tratam de monopolizar o mercado onde os produtos mais populares eram cultivados. No caso da banana, esta era a região da Guatemala e Honduras. Logo, surge uma compania preponderante, a United Fruit Company, que trata de controlar a produção e distribuição total do produto até os EUA, e ao mesmo tempo, obter vantagens financeiras dos governos corruptos da área, que por sua vez exploravam os latifundiários a produzirem mais e mais barato para enriquecerem sua oligarquia, sendo que por sua vez este latifundiários exploravam cada vez mais os pequenos agricultores e camponeses, que, constituindo o elo mais fraco da corrente, não tinham como protestar, nem mudar a situação de obscuridão e opressão a que eram submetidos, permitindo assim que uns poucos senhores de terras, políticos e chefes militares tivessem acesso a um estilo de vida luxuriante.

É por meio dessa corrente maligna que um esquema de exploração e corrupção nascido de uma multinacional irá comandar os destinos de países inteiros. Ao invés do povo manifestar-se e fazer valer seus interesses, uma compania privada irá comandar aquela nação como uma verdadeira fábrica, onde as leis de organização do trabalho não se aplicariam jamais.

Bibliografia:
BANANA REPUBLIC / REPUBLICA BANANERA: The United Fruit Company (em inglês e espanhol). Disponível em: http://www.mayaparadise.com/united_fruit_company.htm . Acesso em: 14 ago. 2011.