Prisma

Por Thomas Carvalho
Consideremos um polígono convexo qualquer, contido num plano αe paralelo a esse um plano β onde temos uma figura congruente à primeira.

O prisma será dado pela reunião de todos os polígonos que ligam os polígonos contidos nos plano e os próprios.

Um prisma possui:

2 bases congruentes, que são os polígonos contidos nos planos paralelos.
n faces laterais,
n + 2 faces totais,
3n arestas
2n vértices.

Assim podemos observar que para o prisma a relação de Euler é válida.
Onde V – A + F = 2

Assim 2n – 3n + n + 2 = 2.

Um prisma poderá ser cortado por inúmeros planos a esses cortes é dado o nome de secção.

A superfície lateral total de um cubo é a soma das medidas das áreas laterais com as ares das bases, superior e inferior.

Prisma reto é aquele cujas arestas são perpendiculares às bases.
Prisma obliquo é aquele cujas arestas são oblíquo as bases.

Um prisma tem o nome que sua base representar, se for base triangular o prisma será prisma de base triangular, se for quadrada, prisma de base quadrada, etc..

O volume do prisma é dado pela multiplicação da área da base pela altura.