Felogênio

Em botânica o Felogênio é conhecido também como câmbio cortical, câmbio suberoso ou meristema suberoso-felodérmico. É um meristema secundário das plantas vasculares que dá origem a periderme. Substituindo a epiderme em algumas dicotiledôneas e gimnospermas, conhecida também como câmbio da casca é um meristema lateral, constituído por apenas uma camada de células, que dá origem a uma espécie de parênquima chamado feloderme (células de preenchimento e reserva) e ao súber (felema). A junção súber-felogênio-feloderme constitui a chama periderme, tecido de revestimento de crescimento primário mais externo. Este tecido pode ser observado em cortes transversais. Este meristema aparece com o câmbio vascular formando uma faixa estratificada, mais ou menos contínua, na circunferência do órgão. Esta faixa é formada por fileiras de células, sendo que em cada fileira radial, apenas uma célula é a inicial do felogênio, que é a mais estreita. Ao contrário das células dos meristemas apicais, as células do felogênio são vacuoladas e aparecem em tonalidades claras nos cortes histológicos.

felogenio

A periderme é formada por fileiras de células mortas. O felogênio se situa entre as camadas de tecido do córtex (casca) do caule da raiz, podendo ser observado em cortes transversais, sendo observado inicialmente por apenas um tipo de células, como uma faixa mais ou menos contínua. O felogênio se desenvolve entre células maduras do córtex e do floema secundário. Derivadas do cambio da casca, diferenciam-se como células suberificadas que formam uma camada protetora - epiderme. A periderme forma a superfície protetora externa do corpo secundário da planta, substituindo a epiderme em caules e raízes lenhosas em plantas herbáceas e lenhosas.

felogenio2

A proliferação do felogênio resulta no crescimento em diâmetro, isto é, no alargamento dos caules das raízes, alterando profundamente as estruturas micro e macroscópicas.

A lenticela também é uma estrutura comum da periderme formada pelo felogênio.  Ela se inicia abaixo do estômato. Pode haver periderme sem lenticela, como também existe lenticela sem que haja periderme, em geral, ambos estão presentes e, nesse caso, os felogênios são contínuos.

De qualquer maneira, o felogênio da lenticela tem uma atividade diferente do felogênio que forma a periderme.

O felogênio localiza-se na parte mais externa do caule e da raiz, quando ocorre o crescimento interno é chamado de feloderme, que são células de preenchimento e reserva, já o crescimento externo resulta no súber que são as células de proteção.

Fontes:
http://professores.unisanta.br/maramagenta/meristemastecidos.asp
http://www.anatomiavegetal.ib.ufu.br/exercicios-html/Meristema.htm
http://fortium.edu.br/blog/jose_barbosa/files/2010/08/Meristema-Prim%C3%A1rio-e-Secund%C3%A1rio-e-Tecidos-simples.pdf
http://www.joinville.udesc.br/sbs/professores/arlindo/materiais/Anatomia_Fernando.pdf
http://www.anatomiavegetal.ib.ufu.br/exercicios-html/Epiderme1.htm

TAIZ, Lincoln; ZEIGER, Eduardo. Fisiologia Vegetal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004

Ilustrações:
http://helen-profbio.blogspot.com.br/2013_06_09_archive.html
http://dc245.4shared.com/doc/aLVcZyDR/preview.html