Tecido epitelial de revestimento

Pós-Doutorado Ciências Biológicas (UNESP, 2013)
Doutorado em Ciências Biológicas (UNESP, 2009)
Graduação em Ciências Biológicas (UNESP, 2005)

Os tecidos epiteliais de revestimento apresentam suas células dispostas em uma ou mais camadas e são responsáveis pelo revestimento da superfície externa e das cavidades internas do corpo como a luz dos vasos sanguíneos e de todos os órgãos ocos.

Os epitélios de revestimento são classificados de acordo com o número de camadas celulares que possuem e também morfologia das células envolvidas. De acordo com o número de camadas, os epitélios podem ser classificados em epitélios simples, quando possuem apenas uma camada de células, epitélio estratificado, quando são constituídos por mais de uma camada de células e epitélio pseudoestratificado, quando possui uma camada de células com núcleos vistos em diferentes alturas do tecido. Todas as células estão apoiadas sobre a lâmina basal, mas por possuir tamanhos diferentes, nem todas alcançam a superfície epitelial.

Tecidos epiteliais simples

Os tecidos epiteliais simples podem ser classificados em pavimentoso, cúbico e prismático (também conhecido como colunar ou cilíndrico).

Os tecidos epiteliais simples pavimentosos possuem células achatadas com núcleos alongados, este tipo de tecido reveste o interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, a cavidade pleural peritoneal e pericárdica.

Os tecidos epiteliais simples cúbicos possuem células com forma cúbica e presença de núcleos centrais e arredondados. São encontrados em ductos excretores de glândulas.

Os tecidos epiteliais simples cilíndricos ou também conhecidos como epitélio simples colunar apresentam células alongadas apresentando seu maior eixo de maneira perpendicular à membrana basal, seus núcleos possuem forma elíptica e acompanham o maior deixo celular; são encontrados nos tecidos de revestimento do sistema digestório.

Tecidos epiteliais estratificados

Os tecidos epiteliais estratificados são classificados em cúbico, prismático, pavimentoso e de transição e assim como nos tecidos epiteliais simples recebem seu nome de acordo com a forma das células.

O tecido epitelial estratificado cúbico e prismático são pouco encontrados no organismo, já o tecido epitelial estratificado pavimentoso é abundantemente encontrado, ele é organizado em camadas e a organização destas varia de acordo com a localização das células. As células mais próximas à membrana basal costumam ser cúbicas ou cilíndricas enquanto que as células mais próximas ao lúmem são achatadas. Na superfície deste tipo de tecido há uma grande taxa de descamação fazendo com que ocorra uma grande renovação celular. Durante o período de renovação celular, as células migram da parte mais basal para a região apical e durante este processo sofrem alterações na forma e na função.

O epitélio pavimentoso estratificado é encontrado, por exemplo, na boca, esôfago e vagina e em outras regiões onde há atrito e forças mecânicas, ele é comumente chama de epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado. Na pele o epitélio é chamado de pavimentoso estratificado queratinizado, ele recebe este nome pois durante a migração das células das camadas mais basais para a camada mais apical, elas perdem as suas organelas e seu citoplasma é preenchido por queratina. Esta especialização do tecido impede a perda de líquido pela pele.

O epitélio de transição recebe este nome pois a forma de suas células sobre alterações de acordo com o estado de distensão do órgão. Ele é encontrado na bexiga e suas células apresentam-se prismáticas quando a bexiga está vazia e achatadas quando a bexiga está cheia.

 

Bibliografia:
Histologia básica I L.C. Junqueira e José Carneiro. - [12 . ed]. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.
Abraham L. Kierszenbaum. Histologia e Biologia celular, Uma introdução à patologia. 3ª edição. Elsevier, 2012

Arquivado em: Histologia