Concílio de Trento

Pós-doutorado em História da Cultura (Unicamp, 2011)
Doutor em Ciências da Religião (Umesp, 2001)
Mestre em Teologia e História (Umesp, 1996)
Licenciado em Filosofia (Unicamp, 1992)
Bacharel em Teologia (Mackenzie, 1985)

Concílio é o mesmo que conselho e se trata de uma reunião de cunho religioso. Tecnicamente o Concílio de Trento foi o 13° concílio da Igreja Católica e era chamado de Concílio Ecumênico. Ocorreu entre os anos de 1546 a 1563. Convocado pelo Papa Paulo III, em 1546, reuniu-se no Tirol italiano, na cidade de Trento. Também foi guiado por outros Papas, Júlio III, Paulo IV, Pio V, Gregório XIII e Sisto V, com a duração de 18 anos e concluindo seu trabalho somente em 1563. Foram realizadas 25 sessões plenárias, em três períodos diferentes (de 1545 a 1547; de 1551 a 1552; e de 1562 a 1563), quando todas essas sessões foram solenemente promulgadas em sessão pública.

Como naquele século 16 iniciou-se na Europa o movimento de renovação da Igreja cristã, a Reforma Protestante de 1517, houve essa reação católica, chamada Contrarreforma, como esforço teológico, político e militar de reorganização católica e de confronto ao protestantismo; e todas as suas doutrinas católicas foram discutidas para responder às críticas doutrinárias dos protestantes. Também as guerras e conflitos entre católicos e protestantes se estenderam por décadas, culminando com a atroz Guerra dos Trinta Anos que dilacerou metade da Europa, terminando apenas em 1648, com a Paz de Vestfalia, e a demarcação dos territórios e fronteiras políticas e religiosas católicas e protestantes.

A Contrarreforma, também chamada de Reforma Católica, foi um esforço ingente contra as críticas de protestantes e demais opositores. Para isso serviram aos seus propósitos os movimentos místicos, na Espanha de Teresa de Ávila e João da Cruz, e de Inácio de Loiola que criou a Companhia de Jesus (jesuítas) para expandir e fortalecer o catolicismo. Isso se deu por meio das ordens franciscana, dominicana e jesuíta que foram a reação católica também no Oriente e nas Américas. Assim, a igreja católica tomou medidas para reavivar a fé e a disciplina religiosa e suas ferramentas mais eficazes foram o Concílio de Trento, a Inquisição e Index dos livros proibidos, para a reconquista de territórios que o catolicismo havia perdido para os protestantes.

De fato, o marco principal da Contrarreforma católica foi a realização desse Concílio Ecumênico em Trento, cujos efeitos violentos determinaram a rejeição explícita ao protestantismo, a oficialização do Tomismo (de São Tomás de Aquino) e da Vulgata (versão latina da Bíblia), a condenação de livros apócrifos ou deuterocanônicos, a divulgação de uma lista de livros proibidos – o Index Librorum Prohibitorum (de 1559) e a Inquisição.

Suas principais decisões conciliares foram: condenar a venda de indulgências, conforme Lutero já as combatera e a igreja romana admitiu seu erro; condenou a intervenção de príncipes nos negócios da Igreja; condenou a doutrina protestante de justificação apenas pela fé e reafirmou que a salvação é pela fé e também pelas obras; que a missa deve ser ressaltada em sua importância na liturgia; ainda confirmou cultos aos santos, à virgem Maria e relíquias; reativou o Tribunal do Santo Ofício (Inquisição); reafirmou a doutrina da infalibilidade papal, do pecado original, da existência do purgatório e dos sete sacramentos (batismo, confirmação ou crisma, confissão, eucaristia ou comunhão, matrimônio, ordem e extrema unção); confirmou a indissolubilidade do casamento, mas o proibiu para membros do clero (celibato clerical) e criou seminários para formar seus sacerdotes. Também estabeleceu decretos e metas para a unidade católica, fortalecendo sua hierarquia.

As resoluções tridentinas (de Trento) foram promulgadas e aceitas imediatamente pela Espanha, Portugal, Polônia e estados italianos. A França relutou em aceitar, durante o período das guerras religiosas, mas as aceitou oficialmente meio século depois. Mas, o cristianismo que já era dividido entre católicos romanos e ortodoxos, a partir do século 16, mesmo com todo o esforço do Concílio de Trento, agora também se dividia entre católicos, ortodoxos e protestantes.

Referências bibliográficas:

ANDRADE, António Manuel Lopes. Os senhores do desterro de Portugal: judeus portugueses em Veneza e Ferrara em meados do séc. XVI. Veredas – Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, 6 (2006), p. 65-108. Disponível em: http://maytediez.blogia.com/2008/062301-os-senhores-do-desterro-de-portugal.-judeusportugueses-em-veneza-e-ferrara-em-m.php. Acesso em: 10 jan. 2017.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo: séculos XV-XVIII. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 1988.

FERNÁNDEZ-ARMESTO, Felipe. Milênio: Uma história de nossos últimos mil anos. Rio de Janeiro: Record, 1999.

SILVA, Marcos (org.) et al. A cabala e a cultura criptojudaica na diáspora atlântica dos sefarditas. Revista Brasileira de História das Religiões. ANPUH, Ano IV, n. 12, Janeiro 2012. Disponível em: http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/index.html. COMUNICAÇÕES. Acesso em 10 jan. 2017.

SEFFNER, Fernando. Da reforma à contra-reforma. Coleção História geral em documentos. São Paulo: Atual.