Descolonização

Por Felipe Araújo
Quando uma colônia consegue recuperar sua independência ocorre o processo de descolonização. Isto pode acontecer devido a um acordo entre a terra colonizada e um partido político ou por uma luta organizada para livrar a colônia de seus exploradores. Exemplos desta batalha são as frentes organizadas por Che Guevara e Fidel Castro na América Latina e as ações de Gandhi na Índia. No primeiro caso houve luta armada, já no segundo a libertação deu-se pela insistência ideológica de seu líder, Gandhi, que optava por não fazer uso da violência.

Geralmente, o processo de descolonização é precedido por um conflito entres as forças da colônia contra seus colonizadores. Na Argélia ocorreu uma guerra de libertação contra Portugal. Já nos Estados Unidos foi dado um golpe de estado no qual as colônias substituíram a administração dos colonos. Outro tipo de descolonização pode acontecer quando ocorrem manifestações pacíficas dentro da nação colonizada.

De acordo com Frantz Fanon, psiquiatra e escritor nascido na Martinica que teve muita influência na guerra pela independência da Argélia, a descolonização abrange um sentido mais filosófico: "libertação nacional, renascimento nacional, restituição da nação ao povo, commonwealth, quaisquer que sejam as rubricas utilizadas ou as novas fórmulas induzidas, a descolonização é sempre um fenômeno violento, (...) é simplesmente a substituição de uma ‘espécie’ de homens por outra ‘espécie’ de homens".

Porém, a descolonização nem sempre ocorre como nos exemplos citados acima. Em alguns casos, os colonizadores acabam passando por pressões dentro da colônia e também de seu próprio país de origem. Quando as colônias começam a trazer mais malefícios do que o lucro esperado, acaba-se forçando um processo de independência. Um bom exemplo deste tipo de descolonização aconteceu com os países que eram colonizados por franceses e britânicos na África. Resumindo: quando a colônia deixa de ser uma solução e se torna um problema, acordos econômicos são estabelecidos e acabam por manter os privilégios dos colonizadores sobre o comércio, política e economia da ex-colônia. A este processo dá-se o nome de neocolonialismo.

Na África, os desentendimentos gerados pela competição entre as várias potências coloniais da Europa levaram ao predomínio política dos países do continente. Esta disputa desenfreada teve seu ápice na partilha da África por países europeus mais Estados Unidos e Rússia na Conferência de Berlim, ocorrida em 1885. Já na Ásia e na Oceania, a descolonização aconteceu depois da Segunda Guerra Mundial. Com o enfraquecimento dos países que participaram da segunda guerra, os recursos para manter suas colônias tornaram-se insuficientes. Mas outro motivo também teve grande importância para a descolonização destes continentes: a desobediência civil na Índia, liderada pelo líder pacifista Mahatma Gandhi. Insatisfeitos com seus colonizadores ingleses, os indianos deixaram de pagar impostos e de servir a Inglaterra. Os ingleses fizeram retaliações violentas, porém, após muitas mortes e repercussão internacional, a Índia venceu a Inglaterra pela insistência de muitos homens, que acabaram por influenciar outros processos de descolonização ao redor do mundo.

Leia também:

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Descolonização
http://eduquenet.net/descolonizacao.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Frantz_Fanon
http://g1.globo.com/vestibular-e-educacao/noticia/2010/05/entenda-como-ocorreu-o-processo-de-descolonizacao-afro-asiatica.html