Exploração do Pau-Brasil

Graduação em História (Universidade do Vale do Sapucaí, UNIVÁS, 2008)

O pau-Brasil é uma árvore de madeira nobre. Seu nome científico é Caesalpinia Echinata e é típica do território brasileiro. Podendo atingir 30 metros de altura e 1.5 metros de tronco, essa árvore possui um interior de forte coloração vermelha, num tom que se assemelha a brasas de fogo, daí o nome dado em língua portuguesa.

A madeira do pau Brasil produz uma tinta rubra usada para tingir tecidos e móveis e chamava muita atenção na Europa, onde produto feitos com essa madeira ou coloridos por sua tintura tinha um alto valor.

Pau-brasil. Foto: Daderot [Public domain], via Wikimedia Commons

Pau-brasil. Foto: Daderot [Public domain], via Wikimedia Commons

A exploração do Pau-Brasil foi a primeira atividade econômica do país, logo após o descobrimento pelos portugueses, em 1500. A madeira foi a primeira riqueza que saltou aos olhos do portugueses que aqui chegaram junto com Pedro Álvares Cabral.

Sendo uma atividade bastante fácil para os colonizadores, tanto por conta da abundância da madeira em todo o litoral quanto por conta do trabalho escravo indígena, arregimentado às custas de violência e trocas de produtos, a extração de pau Brasil foi a melhor alternativa para a exploração e posterior colonização das terras descobertas.

Para assegurar os interesses da Coroa Portuguesa, desde os primeiros momentos, a exploração do pau Brasil foi regulamentada e dependia de autorização expressa da Coroa e do pagamento de taxas que garantiam que a riqueza não fosse retirada do país sem vantagens para os portugueses.

O primeiro a se beneficiar dessa atividade econômica foi Fernando de Noronha que, em 1501, conseguiu a autorização junto a Portugal e se tornou o primeiro grande extrator da madeira tão desejada. Seu esforço gerou as bases da atividade econômica preponderante do início da colonização.

Para conseguir a permissão para explorar o pau Brasil, qualquer interessado deveria se comprometer a colaborar com a exploração do território recém descoberto (do qual ainda não tinham noção da dimensão). Era preciso que explorassem ao menos 330 léguas para o interior, a partir da costa, além de garantirem o custeio do processo de extração. Somado a isso, o interessado deveria se comprometer com a edificação e manutenção de uma estrutura de defesa que garantisse a segurança do território. Como última condição, era proibida a queima de madeira corante, fosse pau Brasil ou qualquer outra.

Com o tempo colonos de outros países acabaram por tentar participar da extração do pau Brasil. Os espanhóis optaram por respeitar as fronteiras estabelecidas pelo Tratado de Tordesilhas e rapidamente se retiraram dos territórios portugueses. No entanto, um grande número de piratas franceses chegavam à costa brasileira, aproveitavam a pouca vigilância e extraiam a madeira ilegalmente, gerando inclusive incêndios e desmatamentos proibidos pela Coroa Portuguesa.

O Pau Brasil foi explorado até a exaustão no país. Mesmo em meados do século XIX, ainda havia exploração, ainda que pouca, tanto pela raridade da árvore, quase desaparecida do país pela exploração descontrolada, quanto pela descoberta de um novo corante não natural que produzia os mesmos efeitos.

Símbolo de nossa terra e base da nossa economia em seu nascedouro, o pau Brasil é um patrimônio do nosso país e hoje o nosso esforço é voltado a preservá-lo da maneira mais eficiente possível, permitindo assim que as gerações vindouras possam ter a chance de conhecer a árvore que nomeia o nosso país.

Bibliografia:

http://ww2.sescsp.org.br/sesc/hotsites/paubrasil/cap2/testemunha.htm

Prado Jr. Caio. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2008

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Fundação de Desenvolvimento da Educação, 1995

VIANNA, Hélio. História do Brasil: período colonial, monarquia e república. 15. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1994

Arquivado em: Brasil Colônia