Rota das Especiarias

Por Emerson Santiago
A expressão "Rota das especiarias" foi utilizada em várias ocasiões desde os tempos mais longínquos da Antiguidade Clássica até o seu emprego em um formato mais recente durante a Era das Navegações, em que os países europeus iam até à Ásia em busca de produtos exóticos que pudessem ter algum valor comercial na Europa dos séculos XV a XVII. As rotas de produtos que iam se consolidando entre os navegadores europeus assumiam então a denominação de Rota das Especiarias.

Até essa época de novas descobertas para o homem europeu, este vivera séculos de uma vida extremamente frugal. Uma habitação comum em qualquer reino do continente não possuía uma grande quantidade de móveis, nem mesmo um aquecimento eficaz, que protegesse as pessoas dos invernos rigorosos que ainda hoje ocorrem na região. As vestimentas comuns possuíam um tom invariavelmente marrom triste pelo fato de haverem corantes em quantidades e tipos limitados, sendo reservado a reis e nobres os tecidos mais vistosos, coloridos e macios. Perfumes, cosméticos, tinturas, até mesmo o sabão eram produtos raríssimos nos mercados europeus. Os hábitos alimentares também não diferiam muito de país para país, sempre em sortimento extremamente restrito: o cidadão comum só adoçava algum prato ou bebida caso tivesse acesso a beterrabas, que não estavam disponíveis em quantidades suficientes. Gêneros como a cana-de-açúcar, caju, tomate, cravo-da-Índia, canela, pimenta, café, laranja, banana, entre tantos outros que comumente encontramos no comércio em geral eram raridades disputadas a altos preços. Até mesmo o sal era gênero de alto valor, origem de disputas inclusive no Brasil. Quem tinha condições de oferecer tais produtos incomuns alcançava fortuna imediata.

O problema da limitada oferta de gêneros alimentícios e de conforto geral ao povo europeu despertou obviamente o interesse de capitalistas de toda Europa. Com o bloqueio pelos turcos otomanos da rota que por muito tempo passava pelo Mediterrâneo, enriquecendo as cidades de Gênova e Veneza, a ideia de ir buscar na fonte os produtos caros e exóticos do oriente distante de repente começou a fazer todo o sentido. Foi aliás esta busca uma das propulsoras para as navegações que permitiram aos europeus chegar a todos os outros continentes do planeta.

É assim que portugueses junto a Espanha, França, Países Baixos, Reino Unido e outros vão localizar os produtos em seus pontos de origem. A estratégia inicial é de montar um entreposto que produza o item lucrativo em meio ao público europeu, transportando-o da Ásia até os centros de distribuição, geralmente na Alemanha, Bélgica e Países Baixos. Assim, eliminava-se o intermediário asiático, e os lucros da produção e distribuição dos produtos trariam progresso inédito aos países exploradores daqueles caminhos marítimos.

De acordo com inúmeros relatos, as Rotas das especiarias eram a chave para um rico comércio, onde o lucro excedia os 300, 400, 500 por cento (ou mais ainda) do valor investido. A prática irá mudar os costumes do europeu médio, que agora passará a se cercar de uma vida mais confortável, obtida por meio da exploração de tantos outros povos e territórios longínquos.

Bibliografia:
PINTO, Júlio Pimentel. A rota das especiarias. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/entrelivros/reportagens/a_rota_das_especiarias.html> . Acesso em: 02 set. 2011.

ALMEIDA, Maria João de. Na rota das especiarias. Disponível em: <http://www.mariajoaodealmeida.com/artigos.php?ID=89&ID_ORG=> . Acesso em: 02 set. 2011.

Mapa: http://www.celtnet.org.uk/recipes/spice_trade.php