Vassalagem

Por Alex Federle do Nascimento
Dentro das práticas do feudalismo existem várias relações nas formas de trabalho, relações tidas com compromissos e obrigações, existindo aqui a classe dominada e a dominante, esta se hierarquiza por meio de vassalagem e de subenfeudação. A vassalagem tinha sua importância na garantia mínima de coesão da classe dominadora que asseguravam a reprodução das relações sociais de produção implantadas. Assim, o vassalo ganha a terra à lealdade, subsídio nas batalhas, pagamento de resgate.

Percebe-se então que, a vassalagem vem a ser um pacto existente entre nobre(s) e rei(s) – um pacto de honra e de fidelidade. Os nobres guerreiros eram vassalos do rei, sendo este, o suserano deles. Pois essa hierarquia social era extremamente fortificada. Ou seja, o pacto era consolidado através do juramento, onde o nobre que requisitava o auxílio passaria a partir de então a ser um suserano, e o que oferecia seus préstimos denominava-se por vassalo. A divisão ocorria do seguinte modo: no topo, encontravam-se os nobres, em seguida os pequenos nobres, e mais abaixo, nobres menores ainda; lá na última camada estavam os camponeses que não possuíam terras. Uma vez que, é necessário lembrarmos que os camponeses trabalhavam na terra e os nobres eram responsáveis pela força militar.

Durante a cerimônia que era realizada para firmar o compromisso, o vassalo se ajoelhava para assim declarar sua fidelidade diante de todos em caso de guerra.

Essa hierarquia podia ser vista também de duas maneiras: os vassalos diretos do rei e os vassalos destes vassalos diretos. Concomitantemente, no primeiro caso, os vassalos careceriam jurar fidelidade ao monarca, já no segundo, jurariam fidelidade aos vassalos reais.

A pilastra dessa hierarquização é a vassalagem, onde torna-se vassalo aquele que se conduz ao que será suserano e se recomenda. Esta recomendação denota que o vassalo apresenta-se à proteção do suserano, com isso, lhe promete a servidão.

Na Alemanha ocorre a organização monárquica de modo formal, sendo que, a vassalagem não chega a se instalar, subsistindo grande autonomia global.

O predomínio nas relações feudo-vassálicas existentes entre os membros da nobreza, no qual a concessão do feudo instituía o núcleo desse pacto, designando assim, a sociedade feudal. Não esquecendo que as relações entre senhoris e campesinos não foram menos importantes nas características desta sociedade cheia de hierarquias.

Contudo, o súdito (vassalo) empenhava-se a ajudar seu suserano quando fizesse necessário. Com isso, o suserano dava ao seu vassalo como recompensa um feudo (este podendo ser dado em terras, cargos ou em dinheiro).

Bibliografia:

ANDERSON, Perry. Em busca de uma síntese. In: Passagens da Antiguidade ao Feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 2000, p. 123-137.

ARRUDA, José Jobson. O sistema feudal. História Integrada: da Idade Média ao nascimento do mundo moderno. V. 2, São Paulo: Ática, 1996, p. 31-36.

MACHADO, Fernando. Feudalismo: servidão, impostos, taxas, suserania e vassalagem. Disponível em: http://educacao.uol.com.br/historia/ult1690u18.jhtm, acessado em 11 de fevereiro de 2010.