Economia da Indonésia

A economia da Indonésia vem se restabelecendo após a crise no fim dos anos 90, que teve inicio na Tailândia (1997) e foi contaminando toda a Ásia, com reflexos por diversos países do mundo, inclusive no Brasil. Na ocasião, houve uma grande desvalorização da moeda, a Rupia Indonésia. A crise financeira abalou a sociedade e a política do país, o que levou o então presidente Haji Mohammad Suharto a renunciar em maio de 1998.

A Indonésia tem uma economia que se apóia na agricultura, na mineração e na indústria. A produção agrícola é diversificada, sendo os principais produtos: milho, arroz, batata-doce, mandioca, chá, café e tabaco. A extração de madeiras tropicais para exportação é significativa, embora a maior parte seja clandestina.

A mineração é uma das responsáveis pela gradativa recuperação da economia da Indonésia, sobretudo em relação à exploração do gás natural e do petróleo. A Indonésia ainda produz ouro, cobre, bauxita e níquel. O investimento estrangeiro no país tem aumentado substancialmente devido aos interesses de grandes mineradoras em explorar a região.

O setor industrial da Indonésia é o que mais cresce, sobretudo na produção de bens de consumo e têxteis. Produz ainda: papel, cimento, pneus e componentes eletrônicos.

O PIB da Indonésia, em 2007, foi de aproximadamente U$845,6 bilhões, com um crescimento de 6,1% em relação ao ano anterior. O PIB per capita foi de U$3400 no mesmo ano. Cerca de 17,8% da população do país vivem abaixo do nível de pobreza.

A inflação foi de 6,3% ao ano, e a taxa de desemprego chegou a 9,7% em 2007. Nos primeiros meses de 2008, o governo do país aumentou a taxa de juros em 0,25% com o objetivo de conter a inflação crescente. A Indonésia gasta mais do que arrecada, o que vem aumentando sua dívida externa.

Os maiores parceiros comerciais da Indonésia são o Japão, os Estados Unidos, Singapura, Malásia, Austrália e Alemanha.

A Indonésia faz parte de instituições internacionais como a Comissão Econômica e Social para a Ásia e o Pacífico (ESCAP) e a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

Em maio de 2008 a Indonésia anunciou que em 2009 não fará mais parte da OPEP (Organização de Países Exportadores de Petróleo).

Arquivado em: Economia, Indonésia