História do Linux

Por Gabriel Andrade
Antes de falar sobre a história do Sistema Operacinal Linux é preciso saber o que é um sistema operacional. É um programa responsável por controlar o computador, fazendo com que o computador execute as ordens do usuário, sem o sistema operacional o computador vira um monte de componentes eletrônicos sem muita utilidade.

O Linux foi criado como um projeto de um estudante finlandês chamado Linus Torvalds. Naquela época os sistemas operacionais mais populares eram o Unix, que era muito usado em empresas, o Mac OS, da Apple, muito popular entre os usuários domésticos que tinha uma interface muito amigável e superior ao do Windowsem muitos aspectos, mas muito caro também. O Windows, que na verdade era a opção pra quem não podia comprar um computador da Apple.


Tux, mascote do Linux

Por volta de 1983, Richard Stallman criava a Free Software Foundation (FSF), uma fundação sem fins lucrativos, que lutava contra as restrições de cópia e alterações de software, em outras palavras, incentivava a criação de programas livres para cópia e alteração, para isso a FSF criou a licença GNU e um conjunto de ferramentas próprias para esse fim.

Em 1991, a FSF estava criando um sistema operacional chamado Hurd, mas ainda em fase inicial. Por volta dessa mesma época Linus Torvalds resolveu disponibilizar o código-fonte do Linux sob a licença GNU a fim de conseguir ajuda de outros desenvolvedores. Muitos desenvolvedores se interessaram e começaram a adicionar novos recursos rapidamente mas ficou limitado a este círculo técnico pois ainda estava em fase embrionária não sendo possível a utilização em larga escala. Em 5 de outrubro de 1991, a primeira versão oficial do Linux foi divulgada, a versão 0.02, desde então o número de desenvolvedores cresceu rápidamente.

Até então o linux funcionava totalmente em modo texto mas por volta de 1994, foi lançada uma versão para linux do programa XFree, programa que cria interfaces gráficas, desde então muitas outras interfaces foram criadas com base no XFree fazendo com que o Linux ganhasse uma interface muito mais amigável, como o GNOME e KDE.

Ainda nesta mesma época, começaram a aparecer as primeiras distribuições Linux, o que diferenciava uma distribuição da outra eram os softwares que eram inclusos nas intalações e a facilidade na instalação do mesmo. Em 1997 surgiram diversas distribuições, com uma intalação mais simples do que as outras disponíveis. Esta época também é marcada pela entrada do sistema Linux em computadores desktop, muitas empresas migraram para o Linux a fim de reduzirem custos com licenças e manutenção.

O que chamava a atenção de empresas e pessoas, e até hoje chama, é o fato de o Linux ser livre, ou seja, você pode personalizá-lo e adaptá-lo as suas necessidades sem ter que pagar nada por isso. A distribuição Ubuntu é a mais recomendada para usuários domésticos, por ser a mais simples de usar, sem necessitar muito conhecimento técnico do sistema.