Divina Comédia

A Divina Comédia (originalmente Comedia, em italiano, e batizada de Divina Commedia por Bocaccio, em uma edição de 1555) é um poema épico escrito em italiano, obra prima de Dante Alighieri, completa um pouco antes de sua morte, em 1321. Trata-se de um poema narrativo rigorosamente simétrico e planejado, narrando uma viagem pelo Inferno, Purgatório e Paraíso, descrevendo cada uma das etapas da viagem com ricos detalhes. Durante a narrativa, o personagem Dante é guiado pelo poeta clássico Virgílio pelo inferno e purgatório, e por Beatriz, musa de Dante, ao paraíso.

Uma das características marcantes da obra é a sua simetria estrita, baseada no número três, baseado na técnica chamada "terza rima", dotada de estrofes de dez sílabas, com três linhas cada, rimando na ordem ABA, BCB. CDC, DED, EFE, onde a linha central de cada terceto combina com as duas linhas marginais do terceto seguinte.

O poema está dividido em três livros, um para cada dimensão (Inferno, Purgatório e Paraíso, os níveis possíveis no pós-vida, como geralmente imaginado pelo homem da Idade Média), sendo 33 cantos para cada livro, com cada canto possuindo 40 a 50 tercetos aproximadamente, terminando com um verso isolado em cada final.

A influência deste poema épico é de grande dimensão em meio à cultura ocidental, influenciando poetas, músicos, cineastas, e outros artistas ao longo destes 700 anos de existência. É considerada obra máxima da língua italiana e um dos grandes clássicos da literatura universal, considerado ainda texto-base da sistematização da língua italiana moderna.

A história narrada pelo poema se inicia com a visita de Dante ao Inferno, guiado por Virgílio, poeta admirado pelo autor. Ele é chamado pela paixão de infância de Dante, Beatriz para ajudá-lo, pois tinha-o visto em apuros. Dali, Virgílio irá guiá-lo até as portas do céu, passando antes pelo Purgatório. Depois de passar por dois níveis do denominado "ante-purgatório", os dois passam por um portal e iniciam nova viagem. Ao passarem por sete terraços, cada um mais alto que o outro, eles são expurgados de cada um dos sete pecados capitais. No último círculo do purgatório, Dante se despede de Virgílio, e junto a um anjo é levado através de um fogo que separa o purgatório do paraíso terrestre. Então às margens do rio Letes, Dante encontra Beatriz e se purifica, banhando-se nas águas do rio para que possa prosseguir viagem e subir às estrelas. No paraíso, Dante é guiado por Beatriz, passando pelos vários céus do Paraíso, encontrando personagens como São Tomás de Aquino e o imperador Justiniano. No céu de estrelas fixas, Dante é interrogado pelos santos sobre suas convicções religiosas e filosóficas, recebendo ao final permissão para prosseguir. Nos nove círculos angélicos, recebe a visão da Rosa Mística, separa-se de Beatriz e tem a oportunidade de sentir o amor divino que emana diretamente de Deus.

Bibliografia:
DA ROCHA, Helder. A Divina Comédia. Disponível em <http://www.stelle.com.br/pt/index_comedia.html>. Acesso em: 02 nov. 2011.

Arquivado em: Literatura