Automedicação

Por Sara Tolouei
O uso de medicamentos, sem prescrição e/ou orientação médica é chamado de automedicação. Esta prática, a qual vem se intensificando não só no Brasil mas em todo o mundo, é causa de grande preocupação dos profissionais da saúde, que visam um uso racional de medicamentos sem riscos à população.

O uso irracional de medicamentos transcreve um grande risco à própria saúde, podendo levar a um distúrbio do sistema imunológico (sistema de defesa do nosso organismo), facilitando a hipersensibilidade, resistência dos microorganismos bem como intoxicações.

Os medicamentos são potenciais venenos, e o que difere são as doses utilizadas. Cada medicamento possui sua dose terapêutica ou dose eficaz, a qual é a ideal para se aliviar e/ou curar o problema, e a dose tóxica, a qual uma vez atingida pode proporcionar consequências graves. Muitas vezes, a diferença entre a dose terapêutica e a dose tóxica é muito pequena, especialmente em medicamentos controlados (também conhecidos como tarja preta), e a intoxicação por estas substâncias pode agravar o quadro clínico do paciente e até levar a morte.

Interações medicamentosas são, também, fatos preocupantes que podem ocorrer com a automedicação. Este é um evento clínico em que os efeitos de um fármaco são alterados pela presença de outro fármaco, ou até mesmo pela ingestão de alimentos ou bebidas. A administração concomitante de dois ou mais medicamentos podem aumentar ou diminuir o efeito terapêutico ou tóxico de um ou de outro. Essa interação medicamentosa pode ser perigosa quando promove aumento da toxicidade de um fármaco.

A prática da automedicação pode ser realizada por diversos motivos, como a influência da mídia, a qual facilita o uso de medicamentos pela população, bem como o desejo em se obter um resultado rápido na terapia medicamentosa. Outro fator que leva o cidadão a se automedicar é pelo simples pensamento de que seu problema “não é nada demais” e que pode ser resolvido com qualquer medicamento em casa.

Analgésicos, antitérmicos e antiinflamatórios são considerados os mais vendidos e mais utilizados sem orientação do profissional da saúde. Observa-se também que a busca por um visual perfeito aumentou a frequência de vendas dos medicamentos para emagrecer. Tais medicamentos podem desencadear doenças como psicoses, fazendo com que as vendas de antidepressivos aumentem consequentemente.

Bibliografia:
Interações medicamentosas. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/multimedia/paginacartilha/docs/intMed.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2012.
Os perigos da automedicação. Disponível em: < http://www.urutagua.uem.br//ru33_automedicacao.htm>. Acesso em: 20 ago. 2012.
Revista da Associação Médica Brasileira. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302001000400001>. Acesso em: 20 ago. 2012.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.