Laringectomia

Por Débora Carvalho Meldau
A laringectomia trata-se da remoção cirúrgica da laringe, que pode ser parcial ou total, visando tratar tumores nesse órgão.

Quando o tumor compromete toda a laringe, se faz necessária a ressecção total da mesma, enquanto que, quando o tumor é de pequenas proporções, a ressecção da laringe pode ser parcial.

A principal causa do surgimento de neoplasia neste órgão é o consumo abusivo de tabaco, sendo que indivíduos do sexo masculino são acometidos em maior proporção.

Este procedimento é comumente realizado quando todas as formas de terapias conservadoras (quimioterapia e radioterapia) falham na tentativa de combater o câncer instalado na laringe, ou até mesmo em outros locais, como câncer na cabeça ou pescoço, bem como para graves problemas de deglutição.

No caso da laringectomia total, a condução do ar dos pulmões para o exterior e vice-versa é alterada. Nesse caso, o ar entra e sai por um orifício artificial situado na parte anterior do pescoço, chamado de traqueostoma. Desta forma, a respiração do laringectomizado total não passa pela boca, tornando as vias digestórias e respiratórias independentes uma da outra. Há também alteração da voz, uma vez que as pregas vocais situam-se na laringe. No entanto, o indivíduo não perde a fala ou a linguagem, pois existe a voz esofágica, que substitui a voz laríngea, por meio do uso da via digestiva ou de próteses fonatórias.

Na laringectomia parcial, o traqueostoma é fechado após um curto período de tempo, e o paciente preserva a voz laríngea, embora a mesma permaneça rouca.

No procedimento cirúrgico que remove toda a laringe, o cirurgião pode também remover todos os linfonodos da área, bem como os tecidos circunvizinhos. Por conseguinte, é feito a traqueostomia, por onde o paciente irá respirar pelo resto da vida. Também pode ser implantada uma prótese fonatória no estoma.

A cirurgia de laringectomia parcial é menos invasiva, podendo ser parcial vertical, parcial horizontal, parcial suplaglótica ou parcial subtotal, sendo que o procedimento é escolhido de acordo com cada caso.

Após a laringectomia, especialmente a total, o paciente deve passar por um processo de reabilitação para reaprender a se alimentar e a falar.

Como todo procedimento cirúrgico, a laringectomia apresenta riscos, incluindo:

  • Reação alérgica ao anestésico;
  • Problemas respiratórios e/ou cardíacos;
  • Hemorragia;
  • Infecção;
  • Hematoma;
  • Fístulas;
  • Estenose do estoma;
  • Danos a outras áreas do esôfago e traqueia;
  • Problemas de deglutição;
  • Problemas com a língua.

Fontes:
http://en.wikipedia.org/wiki/Laryngectomy
http://www1.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=111
http://www.forl.org.br/infodoencas_detalhes.asp?id=26

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.