Otorrinolaringologia

Por Marlene Amariz
Pode-se observar que o conceito de Otorrinolaringologia é tão extenso quanto a palavra em si, pois considerá-lo apenas como sendo o tratamento de ouvido, nariz e garganta seria hoje, pouquíssimo.

A otorrinolaringologia, ou otorrino, como é mais comumente chamada, é uma das especialidades médicas mais completas, uma grande área que trata, pesquisa e acompanha, problemas como: infecções e inflamações das vias aéreas, distúrbios digestivos, da fala, audição, cefaléias (ou as famosas dores de cabeça), tonturas, zumbidos, tosse, trauma facial, e ainda com possibilidade de exercer a terapia especializada em radiologia, endoscopia, cirurgias no segmento cérvido-facial e eletrofisiologia.

Otorrinolaringologista

Nos primeiros serviços organizados no final do século XIX, no Brasil, considerava-se o médico otorrino , basicamente o especialista que estudava, prevenia, tratava e fazia manutenção, ou procedimentos cirúrgicos do conjunto:ouvido, nariz e garganta e de suas respectivas estruturas, ele compreendia ainda de reabilitação auditiva, audiologia clínica, cirurgia cérvico facial e plástica. Porém, ao longo dos anos este especialista, brigou para reconquistar espaços importantes da sua atividade profissional, pois formaram-se novas especialidades e carreiras relacionadas à otorrinolaringologia, as quais buscaram também o seu lugar no mercado.

Por outro lado, surpreende-nos ao observarmos que o otorrino poderá ter infinitas atividades trabalhando em diversas áreas, como: atuar apenas como clínico até realizar cirurgias de grande porte relacionadas com cabeça e pescoço, ou ser um eletrofisiologista, um oncologista, um plástico, ou um pediatra em sua atividade predominante, enfim, dominar toda a região delimitada entre a base do crânio e as espáduas.

Formação e atuação

A formação necessária para o exercício da profissão de médico otorrino inicia-se com um curso superior em Medicina, com duração de seis anos, com posterior especialização ou pós- graduação na área de escolha, e residência de no mínimo dois anos ou estágio de no mínimo três anos, estando sempre atento à qualidade de ensino e ao reconhecimento dos cursos pelo MEC (Ministério de Educação e Cultura).

Como vimos anteriormente o otorrino tem vastas possibilidades de atuação dependendo das suas habilidades e para quais especialidades está preparado, podendo atuar como clínico realizando consultas, tratando alergias, diagnosticando e tratando lesões nas pregas vocais, amigdalas e adenóides, ou ainda, detectando e tratando de estruturas afetadas por tumores, realizando cirurgia estética e funcional da face quando cirurgião, tendo a liberdade de atuar em rede pública ou privada.

Além de sua formação acadêmica e especialização deverão fazer parte de sua trajetória estudantil e profissional: dedicação, profissionalismo e atualização constante, através da participação em congressos, encontros da classe médica, pesquisas, enfim, interação e aprendizado, buscando sempre algo novo., farão deste especialista um profissional diferenciado.

Fontes
-Rev. Bras. Otorrinolaringologia, v.70. n.1. SãoPaulo. jan/fev. 2004 Artigo: Residência Médica e a Otorrino no futuro

- Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.