Tipos de Nuvens

Por Caroline Faria
Através da observação das nuvens podemos observar, ou identificar, as condições atmosféricas de determinado local, pois estas refletem em sua quantidade, forma e estrutura.

Para que haja a formação de nuvens é necessário que parte do vapor d’água contido na atmosfera se condense, formando pequenas gotículas de água, ou solidifique, formando minúsculos cristais de gelo. A esta formação, ou aglomerado de cristais de gelo e gotículas damos o nome de nebulosidade.

Uma característica que diferencia os variados tipos de nuvens é a altura em que elas se formam, ou onde se encontra sua base e seu topo. Mas, é importante lembrar, que esta altura varia conforme a posição geográfica (latitudinal) da região considerada. Por exemplo, na região tropical a altura mínima (estágio baixo) e máxima (estágio alto) de uma nuvem costuma ser a 2 km e 18 km de altura da superfície respectivamente, enquanto que nas regiões polares e temperadas as distâncias são, respectivamente, 2 km e 8 km, e 2 km e 13 km.

Nuvens baixas

Internacionalmente, existem cinco denominações para tipos de nuvens que se encontram no estágio baixo, a 2 km da superfície.

Cumulus – Cu

Cumulus. Foto: kzww / Shutterstock.com

Cumulus. Foto: kzww / Shutterstock.com

Nuvens isoladas que apresentam uma base sensivelmente horizontal, tem contornos bem definidos, uma cor bem branca quando iluminada pelo sol, provoca chuvas na forma de pancadas, constituídas principalmente por gotículas de água, mas podem conter cristais de gelo no topo. Variações: humilis, quando apresentam desenvolvimento vertical; mediocris, quando possuem o topo arredondado; fractocumulus, quando se desmancham por causa de alguma turbulência.

Congestus

Congestus. Foto: SimonHS / Shutterstock.com

Congestus. Foto: SimonHS / Shutterstock.com

Tem bordas protuberantes no topo e considerável desenvolvimento vertical, indica profunda instabilidade e favorecimento por escoamento ciclônico em altitude.

Cumulonimbus – Cb

Cumulonimbus. Foto: NASA

Cumulonimbus. Foto: NASA

Com grande desenvolvimento vertical apresenta a forma de uma montanha e sua forma só pode ser vista de longe devido ao seu tamanho. No topo, geralmente apresenta a forma característica de uma bigorna. É uma nuvem mais escura formada por grandes gotas de água e granizo, podendo conter cristais de gelo no topo. Está associada a tempestades fortes com raios e trovões.

Stratocumulus – Sc

Stratocumulus. Foto: NOAA

Stratocumulus. Foto: NOAA

Cinzentas ou esbranquiçadas é formada por gotículas de água e estão associadas a chuvas fracas. Variações: cumulusgenitus, vesperalis.

Stratus – St

Stratus. Foto: NOAA

Stratus. Foto: NOAA

Nuvem cinzenta que provoca chuvisco. De cor cinza forte com base uniforme, costuma encobrir o sol ou a lua.

Nuvens médias

A seguir, três denominações para as situadas em estágio médio, de 2 a 8 km em latitude tropical, 2 a 7 km em região temperada e de 2 a 4 km na região polar...

Nimbostratus – Ns

Nimbostratus. Foto: Pi-Lens / Shutterstock.com

Nimbostratus. Foto: Pi-Lens / Shutterstock.com

Nuvens de grande extensão e base difusa formadas por gotas de chuva, cristais ou flocos de gelo com cor bastante escura.

Altostratus – As

Altostratus. Foto: Ustyuzhanin Andrey Anatolyevitch / Shutterstock.com

Altostratus. Foto: Ustyuzhanin Andrey Anatolyevitch / Shutterstock.com

Assemelham-se a um lençol cinzento, às vezes azulado, sempre tem umas partes finas que permitem ver o sol. É formada por gotas de chuvas e cristais de gelo.

Altocumulus – Ac

Altocumulus. Foto: Lawrence Wee / Shutterstock.com

Altocumulus. Foto: Lawrence Wee / Shutterstock.com

Nuvem cinza (às vezes branca) que apresenta sombras próprias e tem a forma de rolos ou lâminas fibrosas ou difusas. Raramente contém cristais de gelo e por entre as nuvens deste tipo é possível enxergar pedaços do céu claro. Variações: lenticularis, radiatus, cumulusgenitus, opacus, plocus ou castellatus.

Nuvens altas

E por fim, três denominações para formações em estágios altos, de 6 a 18 km na região tropical, 5 a 14 km na região temperada e 3 a 8 km na região polar.

Cirrus – Ci

Cirrus. Foto: C_Eng-Wong Photography / Shutterstock.com

Cirrus. Foto: C_Eng-Wong Photography / Shutterstock.com

Nuvens com brilho sedoso, isoladas e formadas por cristais de gelo parecendo convergir para o horizonte. Podem se formar da evolução da bigorna da cumulusnimbus. Variações: filosus ou fibratus, uncinus, spissatus ou nothus, ou densus.

Cirrocumulus – Cc

Cirrocumulus. Foto: allou / Shutterstock.com

Cirrocumulus. Foto: allou / Shutterstock.com

Nuvens braças compostas quase exclusivamente por cristais de gelo agrupados em grânulos semi-transparentes. Variações: stratiformis, lenticularis, castellatus.

Cirrostratus – Cs

Cirrostratus. Foto: Karen Faljyan / Shutterstock.com

Cirrostratus. Foto: Karen Faljyan / Shutterstock.com

Nuvens parecidas com um véu transparente que dão ao céu um aspecto leitoso. Constituída por cristais de gelo. Variações: fibratus, nebulosus.